segunda-feira, 31 de agosto de 2009

OS JOVENS E O MERCADO DE TRABALHO

Duas pesquisas, duas realidades. Mais de metade dos jovens brasileiros estão desempregados, mas ainda assim mostram otimismo; os jovens norte-americanos têm empregos à disposição, e claro, só podiam estar também otimistas.

Tivemos acesso a duas pesquisas, ambas com informações muito interessantes. Sabemos que as duas realidades que retratam são absolutamente incomparáveis, mas evidenciam tendências de mercado bastante esclarecedoras.

Para acompanhar os dados a seguir é preciso levar em consideração que os Estados Unidos são um país com economia estável, em condições de pleno emprego, auto-suficiência em petróleo, e renda per capita de US$ 31,059.00 (dados da ONU). Enquanto isso o Brasil, apesar da economia também estável, tem perto de 17% de taxa de desemprego, importa quase 30% do petróleo que consome e tem renda per capita de U$ 4,693.00 (dados da ONU).

No Brasil, apenas 36% dos jovens entre 15 e 24 anos têm emprego, outros 22% já trabalharam mas estão desempregados atualmente; na média, os jovens demoram 15 meses para conseguir o primeiro emprego ou uma nova ocupação, nas regiões metropolitanas. No total, 66% deles precisam trabalhar porque todo o seu ganho, ou parte dele, complementa a renda familiar.
Nos Estados Unidos, os empregos para quem está no ensino médio ou na faculdade estão em alta, tanto que em Nova York, por exemplo, como informou o jornalista Gilberto Dimenstein em entrevista à rádio CBN, não se conseguem candidatos para empregos de salva-vidas em meio período (R$ 160,00 por dia), porque a maioria dos estudantes já está trabalhando em outras ocupações que dão mais dinheiro.

A pesquisa do mercado brasileiro foi feita pela Fundação Perseu Abramo, em nove regiões metropolitanas do país, e publicada no dia 24 de maio no jornal Valor Econômico. A pesquisa no mercado norte-americano foi feita pelo site especializado em estudantes e recém-formados http://www.jobtrack.com/.
O jovem no Brasil
Vamos ver do lado brasileiro o que os números mostram em relação aos jovens no mercado de trabalho. A remuneração mensal - A remuneração é o principal item de satisfação dos jovens que trabalham: 17% deles dizem que a remuneração mensal é o fator número um de satisfação. A distribuição percentual, conforme a remuneração, é a seguinte:

27% - entre 1 e 2 salários mínimos 26% - até 1 salário mínimo 24% - entre 2 e 3 salários mínimos 19% - mais de 3 salários mínimos 3% - não responderam 1% - não é remunerado
O destino do salário57% - Parte do que ganham entra no orçamento familiar 30% - Ganham só para si 9% - Tudo o que ganham entram no orçamento familiar 3% - Não responderam
A jornada de trabalho34% - 8 horas 14% - 6 horas 13% - de 1 a 5 horas 13% - 11 horas ou mais 10% - 10 horas 9% - 9 horas 6% - 7 horas 2% - outras respostas/não responderam
O tempo atrás do emprego34% - até seis meses 25% - de seis meses a 1 ano 22% - mais de 2 anos 14% - de 1 ano até 2 anos 6% - não responderam

Jovens brasileiros com formação têm mais sucesso
Para os jovens que têm alguma ocupação ou profissão, a realidade é menos dura: embora somente 41% tenham sido absorvidos pelo mercado formal de trabalho, 82% do universo estão de alguma forma trabalhando e conseguindo remuneração mensal fixa ou variável. Segundo a pesquisa, para 79% dos 1.806 jovens entrevistados, apenas ter um emprego já é motivo de satisfação. Vejamos a distribuição dos entrevistados de acordo com o vínculo empregatício:
37% não têm carteira assinada 15% têm carteira assinada 15% trabalham por conta própria em ocupação temporária 5% estão em outras situações3% trabalham por conta própria em ocupação regular 2% são universitários e trabalham como autônomos 2% são funcionários públicos 2% trabalham para a própria família, sem remuneração fixa 1% é de estagiários

92 comentários:

JOSE CLEUDO disse...

Mais uma vez foi colocado um texto à disposição da juventude, para que ela leia, debata, estude, reflita sobre o mercado de trabalho voltado aos jovens. O texto é muito importante para conhecer de perto tal realidade. CLEUDO

JOSE CLEUDO disse...

O que falta para muitos jovens do Brasil é a oportunidade que às vezes não é oferecida pelas empresa. Precisamos construir um Brasil onde os jovens possam ter vez e voz e expressarem todo o seu potencial. Como ter experiência no mercado de trabalho se muitos jovens ainda não têm o primeiro emprego?

nayanny disse...

A análise da participação precoce dos jovens no mercado de trabalho revela o nível de desenvolvimento de um País. Nas economias mais desenvolvidas o número de crianças e adolescentes no mercado de trabalho é mínima. No Brasil, no entanto, o trabalho de jovens de menos idade é uma prática comum. Para o grupo de 15 a 17 anos, a taxa de atividade para os que vivem em famílias cuja renda mensal per capita situa-se em até 1/4 do salário mínimo está em torno de 53,7%..

NAYANNY

Marcela Lopes disse...

São muitos os obstáculos enfrentados pelos jovens que estão no mercado de trabalho e pelos os que ainda estão tentando encontrar nele um lugar:
Marcela Lopes

JEFESSON disse...

São muitos os obstáculos enfrentados pelos jovens que estão no mercado de trabalho e pelos os que ainda estão tentando encontrar nele um lugar: más condições de trabalho, baixa remuneração, longa jornadas de trabalho, dificuldade de conciliar trabalho e escola, altas taxas de desemprego e desajuste entre o estudo recebido e as exigências do mercado. Em todos os ramos de atividade econômica em que se inserem os jovens de menos idade brasileiros, a grande maioria trabalha na condição de empregado, com exceção da agricultura, onde a relação predominante entre eles é o trabalho familiar sem remuneração.


JEFESSON

carla disse...

O texto lido falar sobre a real situação do jovem hoje em dia no mercado de trabalho entre dois mundo o desenvolvido e em desenvolvimento.O texto aborda situações interessantes com o que leva ao jovem a começar a trabalha cedo!!Pode observar que os jovens precisa realmente trabalha pra ajudar sua família,enfim precisamos de alhua foram mudar a nossa realidade!!

Bu:Nayanne Lima
Carla Fernanda

Lais Ramos disse...

O texto mostra que é preciso investir em emprego para os jovem, pois como diz o mesmo, eles ficam feliz só em ter um emprego.
Mais fiquei chocada com o número de jovem sem nenhuma formação ficando mais dificil para encontra enprego.

RAFAEL disse...

À medida em que os jovens passaram a obter cada vez mais empregos no setor de prestação de serviços, os empregadores puderam cada vez mais selecionar a partir de um grande número de candidatos como também reter ou negar benefícios. Em geral, os jovens trabalham sem carteira assinada e são vítimas de subemprego

RAFAEL

Rafael Luiz disse...

o que mais me chamo a atenção no texto foi essa frase No Brasil, apenas 36% dos jovens entre 15 e 24 anos têm emprego, outros 22% já trabalharam mas estão desempregados atualmente; na média, os jovens demoram 15 meses para conseguir o primeiro emprego ou uma nova ocupação, nas regiões metropolitanas. No total, 66% deles precisam trabalhar porque todo o seu ganho, ou parte dele, complementa a renda familiar.

ALLYSON,MARIELLY,GRACINHA !!! disse...

MAIS DA METADE DOS JOVENS BRASILEIROS .. NÃO TEM EMPREGO POR FALTAS DE OPORTUNIDADES,E A OUTRA METADE NÃO TEM EXPERIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO !!!!

WEYMA disse...

Para o grupo de 15 a 17 anos, a taxa de atividade para os que vivem em famílias cuja renda mensal per capita situa-se em até 1/4 do salário mínimo está em torno de 53,7%. Um índice bastante alto mesmo quando comparada com a de outros países de menor renda per capita que o Brasil.



WEYMA

nayanny disse...

SOBRE PATATIVA DE ASSARÉ
O maior poeta popular brasileiro, Antonio Gonçalves da Silva, nasceu a 5 de março de 1909 na Serra de Santana, pequena propriedade rural, no município de Assaré, no Sul do Ceará. Como a maioria dos cantadores e poetas populares de seu tempo, carregava na alcunha o nome de sua terra: Patativa do Assaré.

O disco A Terra é Naturá foi produzido por Raimundo Fagner, tendo o cineasta Rosenberg Cariri como assistente de produção, nos violões duas feras: Manassés e Nonato Luiz, e a introdução das poesias é feita na rabeca por outro gigante da cultura popular, o Cego Oliveira.

Só gente da melhor qualidade!

As faixas são todas sensacionais, mas as que eu mais gosto são "Mãe Preta" e "A Morte de Nanã", com sua tristeza pungente e profunda.

Escutem com a mente aberta e o espírito preparado, pois é coisa finíssima, um filé!

gaara disse...

Patativa do Assaré
Uma das principais figuras da música nordestina do século XX. Segundo filho de uma família pobre que vivia da agricultura de subsistência, cedo ficou cego de um olho por causa de uma doença. Com a morte de seu pai, quando tinha nove anos de idade, passa a ajudar sua família no cultivo das terras. Aos doze anos, freqüenta a escola local, em que é alfabetizado, por apenas alguns meses. A partir dessa época, começa a fazer repentes e a se apresentar em festas e ocasiões importantes. Por volta dos vinte anos recebe o pseudônimo de Patativa, por ser sua poesia comparável à beleza do canto dessa ave. Sendo muito amigo da familia Diniz

gaara disse...

Patativa do Assaré

Uma das principais figuras da música nordestina do século XX. Segundo filho de uma família pobre que vivia da agricultura de subsistência, cedo ficou cego de um olho por causa de uma doença. Com a morte de seu pai, quando tinha nove anos de idade, passa a ajudar sua família no cultivo das terras. Aos doze anos, freqüenta a escola local, em que é alfabetizado, por apenas alguns meses. A partir dessa época, começa a fazer repentes e a se apresentar em festas e ocasiões importantes. Por volta dos vinte anos recebe o pseudônimo de Patativa, por ser sua poesia comparável à beleza do canto dessa ave. Sendo muito amigo da familia Diniz

nayanny disse...

Uma das principais figuras da música nordestina do século XX. Segundo filho de uma família pobre que vivia da agricultura de subsistência, cedo ficou cego de um olho por causa de uma doença. Com a morte de seu pai, quando tinha nove anos de idade, passa a ajudar sua família no cultivo das terras. Aos doze anos, freqüenta a escola local, em que é alfabetizado, por apenas alguns meses. A partir dessa época, começa a fazer repentes e a se apresentar em festas e ocasiões importantes. Por volta dos vinte anos recebe o pseudônimo de Patativa, por ser sua poesia comparável à beleza do canto dessa ave. Sendo muito amigo da familia Diniz.

Rafael Luiz disse...

- Prêmio Banco do Nordeste de Cinema – Melhor longa metragem no 17º Cine Ceará – Festival Ibero-Americano de Cinema.

- Hors Concours no 30o. Festival de Cinema de Gramado.

- 1º. Curta Lençóis – junho 2008 - Exibição Especial – Hours Concours


Rafael luís

Annelize disse...

Em tempos modernos, como vai a qualidade de vida em RH?

As organizações, ao introduzirem inovações tecnológicas, raramente preocupam-se em avaliar os aspectos humanos relacionados e afetados por tal processo, nem tampouco levam em consideração o indivíduo em sua dimensão integral, o que inclui, obrigatoriamente, uma preocupação com a qualidade de vida.
O advento destas novas tecnologias nas organizações provoca profundas mudanças em relação à produção, à intensidade e ao ritmo do trabalho, determinando um incremento ou não na qualidade de vida dos trabalhadores. Isto porque a inovação no processo tecnológico produz impactos consideráveis sobre todos os fatores produtivos, sobre os indivíduos, as organizações, a cultura e o ambiente. Esse impacto é ainda mais visível quando estas introduções transformam completamente a estrutura organizacional da empresa.
O conflito advindo dessas transformações propicia uma maior necessidade, por parte das organizações, de respeito pelos valores sociais, da responsabilidade social, do desenvolvimento integrado social e humano, para que a empresa seja agente de desenvolvimento e progresso social e se torne mais solidária, mais justa e transparente.
Diante da importância deste compromisso das organizações para com os trabalhadores, a questão da qualidade de vida no trabalho entra em evidência. As pessoas passaram a ser a principal base da nova organização, envolvendo-a em diversos níveis, sendo abordadas como parceiros e não mais como meros recursos humanos. A partir disso, as políticas e as práticas de RH referentes à qualidade de vida no trabalho possuem tendência a serem mais valorizadas como modo de integrar o indivíduo à organização de forma harmoniosa, mantendo sua integridade física e mental, valorizando-o enquanto pessoa.

ANNELIZE SILVA

gaara disse...

SLM Recursos Humanos abre vagas para trabalho na cidade do Rio de Janeiro e Niterói
Aide Almeida | Trabalho | 13/08/2009 13:27
impressão | Envie por e-mail | RSS
A empresa SLM Recusos Humanos abre processo seletivo para profissionais de diversas áreas. As vagas são para estagiários, temporários e efetivos.
Confira algumas vagas disponíveis:
Estágio:
Administração;
Engenheiro(a) de Telecomunicações.
Ensino fundamental Completo:
Açougueiro;
Ajudante de caminhão;
Cozinheiro;
Motorista de caminhão.
Ensino Médio Completo:
Assistente Operacional;
Atendente de Hortifruti;
Auxiliar Administrativo;
Auxiliar de escritório;
Auxiliar de estoque;
Auxiliar de Expedição;
Auxiliar de portaria;
Conferente;
Consultor comercial;
Lancheiro;
Motorista categoria D experiência em entrega de mercadoria;
Motorista categoria B;
Motorista categoria A e D;
Motorista - Motociclista;
Projetista cadista;
Supervisora de costura e acabamento;
Vendedor (a) Externo (a);
Vendedor (a) Interno (a);
Vendedor (a) Técnico (a);
Superior Completo:
Analista de sistemas;
Coordenador comercial;
Engenheiro de PCP;
Gerente de serviços;
Programador NET;
Assistente administrativo-financeiro.
Os interessados devem comparecer na Av. Treze de maio, 33 sala 709 - Centro - RJ, ou acessar o site da empresa www.slmrh.com.br

nayanny disse...

Resenha critica - mercado de trabalho e recursos humanos?
Oi gente, preciso de uma resenha critica sobre o mercado de trabalho atual e o uso dos recursos humanos.

queria que analisa-sem esse breve resumo que fiz:

“Podes-se dizer que nos dias atuais os profissionais estão sendo cada vez mais requisitados para o mercado de trabalho. Contudo, existem critérios a serem seguidos, ou seja, as organizações estão dando como preferência às empresas de capacitação, aquelas que oferecem cursos profissionalizantes, assim, passam a aconselhar-lhes e localizar pessoas realmente qualificadas para a ocupação nas diversas áreas oferecidas pelo atual mercado de trabalho.”

NAYANNY

mikae disse...

Fases de recrutamento

Conceito de recrutamento

O recrutamento é um conjunto de técnicas e procedimentos que visam atrair candidatos potencialmente qualificados, capazes de assumirem cargos dentro da organização. É como um sistema de informação, através do qual a organização divulga e oferece ao mercado de recursos humanos as oportunidades de emprego que pretende preencher. Para ser eficaz, o recrutamento deve atrair um número contingente de candidatos suficiente para abastecer adequadamente o processo de selecção. O recrutamento é uma actividade que tem por objectivo imediato atrair candidatos, de entre os quais serão seleccionados os futuros participantes da organização. Assim, poderemos afirmar que o recrutamento é uma actividade de comunicação com o ambiente externo, é uma actividade de relações públicas e de envolvimento da organização com a comunidade que a rodeia.

mikaelly

lucivania disse...

Alegria no ambiente de trabalho

Patrícia Bispo
Patrícia Bispo
Formada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo, pela Universidade Católica de Pernambuco/Unicap. Atuou durante dez anos em Assessoria Política, especificamente na Câmara Municipal do Recife e na Assembléia Legislativa do Estado de Pernambuco. Atualmente, trabalha na Atodigital.com, sendo jornalista responsável pelos sites: www.rh.com.br, www.portodegalinhas.com.br e www.guiatamandare.com.br.

+ textos de Patrícia Bispo

A alegria é algo que o ser humano busca ao longo de toda sua existência. Só que o significado de ser feliz para uns, tem uma conotação totalmente diferenciada para outros. Isso deverá se manifestar de acordo com a personalidade, os sonhos, os anseios, a experiência que cada indivíduo adquire ao longo de sua vida. Se encontrar a felicidade na vida pessoal é sinônimo de devaneio para muitos, quanto mais desejá-la para que se faça presente no meio organizacional.
“Outro dia fui questionado sobre o que falta para a melhoria das relações no ambiente de trabalho. A resposta foi automática: ‘Falta alegria! Falta que as pessoas queiram fazer o que estão fazendo e jamais façam somente pela obrigação ou pela remuneração. As pessoas precisam ser mais ouvidas e a arte está justamente em encontrar a conexão entre o querer e o precisar fazer. É a magia de fundir meta pessoal e meritocracia na mesma partitura”. Esse é o pensamento de Dill Casella, consultor organizacional que direciona seu trabalho para o campo motivacional e a área de desenvolvimento gerencial. Em entrevista concedida ao RH.com.br, Casella enfatiza a participação constante do líder junto à equipe, ao destacar que os liderados devem ter a chance de também conduzir suas ações, ou seja, precisam de liberdade para expressar seus talentos. A atuação do gestor e da área de Recursos Humanos, segundo ele, provoca impactos diretos no comportamento dos colaboradores. Talvez esse seja um bom momento para refletir como está o clima da sua equipe, da sua organização.

lucivania

forrozeiras disse...

O aparecimento do homem, no planeta, passou a incidir, aos poucos, no meio ambiente, alterando-lhe o natural equilíbrio, quando o ser humano necessitou das coisas da natureza, utilizando-as para a alimentação ou para abrigar-se das intempéries. No início, praticamente desprezível, a ação humana vai depois, aos poucos, afetando o equilíbrio do meio circunvizinho e, nas últimas décadas, em razão do avanço tecnológico e do aumento extraordinário da poluição mundial, constituiu-se em ameaça flagrante ao próprio destino da humanidade.

As últimas décadas do século XX tiveram as mais altas temperaturas médias. Nos últimos 50 anos, os Alpes na Europa perderam 50% de sua cobertura de gelo. Dados sobre amostras profundas de gelo sugerem que vivemos o século mais quente dos últimos 600 anos. Hoje, a temperatura média do planeta está 4°C acima do que era na última idade do gelo, uns 13 mil anos atrás. Mas, recentemente, houve uma aceleração grande nessas variações climáticas. Cientistas afirmam que o aquecimento é resultado da intensificação do efeito estufa devido às atividades dos mais de seis bilhões de seres humanos que habitam o planeta. O problema se agrava cada vez que dirigimos um automóvel, tomamos um avião ou queimamos madeira.
As árvores são grandes armazéns naturais de dióxido de carbono (CO2). Bilhões de toneladas de CO2 da atmosfera são absorvidos pelas florestas do planeta que, dessa forma, ajudam a estabilizar o clima mundial. Mas, quando florestas são queimadas, a substância retida volta à atmosfera.

O dióxido de carbono é o principal agente do aquecimento global. A emissão desse gás ocorre devido ao uso de combustíveis fósseis, assim denominados porque foram criados milhões de anos atrás pela lenta decomposição subterrânea da vegetação e de outras matérias vivas. Os três combustíveis fósseis são o carvão, o petróleo e o gás natural.

Começamos a liberar CO2 na atmosfera há 200 anos, durante a Revolução Industrial, e desde então sua concentração cresceu mais de um terço. O CO2 e outros gases do efeito estufa, incluindo o metano, o óxido nitroso (N2O - gerado por atividades como a deposição do lixo, a pecuária e o uso de fertilizantes) e os clorofluorcarbonos (CFCs), agora envolvem a Terra como um cobertor, aquecendo mais e mais o planeta. Marcela Lopes

forrozeiras disse...

O aparecimento do homem, no planeta, passou a incidir, aos poucos, no meio ambiente, alterando-lhe o natural equilíbrio, quando o ser humano necessitou das coisas da natureza, utilizando-as para a alimentação ou para abrigar-se das intempéries. No início, praticamente desprezível, a ação humana vai depois, aos poucos, afetando o equilíbrio do meio circunvizinho e, nas últimas décadas, em razão do avanço tecnológico e do aumento extraordinário da poluição mundial, constituiu-se em ameaça flagrante ao próprio destino da humanidade.

As últimas décadas do século XX tiveram as mais altas temperaturas médias. Nos últimos 50 anos, os Alpes na Europa perderam 50% de sua cobertura de gelo. Dados sobre amostras profundas de gelo sugerem que vivemos o século mais quente dos últimos 600 anos. Hoje, a temperatura média do planeta está 4°C acima do que era na última idade do gelo, uns 13 mil anos atrás. Mas, recentemente, houve uma aceleração grande nessas variações climáticas. Cientistas afirmam que o aquecimento é resultado da intensificação do efeito estufa devido às atividades dos mais de seis bilhões de seres humanos que habitam o planeta. O problema se agrava cada vez que dirigimos um automóvel, tomamos um avião ou queimamos madeira.
As árvores são grandes armazéns naturais de dióxido de carbono (CO2). Bilhões de toneladas de CO2 da atmosfera são absorvidos pelas florestas do planeta que, dessa forma, ajudam a estabilizar o clima mundial. Mas, quando florestas são queimadas, a substância retida volta à atmosfera.

O dióxido de carbono é o principal agente do aquecimento global. A emissão desse gás ocorre devido ao uso de combustíveis fósseis, assim denominados porque foram criados milhões de anos atrás pela lenta decomposição subterrânea da vegetação e de outras matérias vivas. Os três combustíveis fósseis são o carvão, o petróleo e o gás natural.

Começamos a liberar CO2 na atmosfera há 200 anos, durante a Revolução Industrial, e desde então sua concentração cresceu mais de um terço. O CO2 e outros gases do efeito estufa, incluindo o metano, o óxido nitroso (N2O - gerado por atividades como a deposição do lixo, a pecuária e o uso de fertilizantes) e os clorofluorcarbonos (CFCs), agora envolvem a Terra como um cobertor, aquecendo mais e mais o planeta.

francisco disse...

Quando tratamos de educação e meio ambiente, coloca-se o problema dos maus
comportamentos. Comportamentos de agressão à natureza e aos espaços comuns são considerados
maus hábitos que a educação, como um instrumento de socialização, deve mudar, reforçando
atitudes de conservação e respeito à natureza. É ainda corrente, em educação ambiental,
construirmos a imagem do mundo como uma nave, a nave Terra, constituída por um meio ambiente
físico que já está dado desde sempre, onde os homens são os usuários, consumidores que podem se
comportar melhor ou pior em relação ou seu ambiente, conforme forem sensibilizados pela educação.
Gostaria de partir desses pressupostos, comuns na educação ambiental, para colocar alguns
problemas e sugerir novos elementos para um outro entendimento da relação entre educação, meio
ambiente e cidadania.
Restringir a educação ao campo da mudança de comportamento é um primeiro problema que
parece longe de ser resolvido na educação de modo geral, e especialmente na educação ambiental.
A educação quer transformar a realidade, mas, se entende a realidade como a soma de
comportamentos individuais, fica limitada ao campo da aprendizagem, no sentido comportamental do
termo, isto é, restringe-se ao campo do condicionamento, do adestramento, do treinamento. Não que
essa dimensão não exista, mas a questão que se coloca para o educador é: até que ponto ela dá
conta da complexidade da ação humana?
Sem dúvida, educar é uma tarefa muito difícil. Não é por acaso que Freud considerou a
educação como uma das três atividades impossíveis, juntamente com governar e psicanalisar.
Contudo, a impossibilidade para a qual nos alerta Freud aparece justamente quando
ultrapassamos a esfera dos comportamentos e da ordem, e adentramos em um outro campo, aquele
das forças que determinam os comportamentos. Aí vamos encontrar os valores construídos histórica
e socialmente: o desejo, no sentido psicanalítico, que é uma força para além da vontade consciente e
imediata de alguma coisa; e a Ação política, no seu senso mais amplo.
A formação dos valores, o exercício do desejo e da Ação constituem uma trama muito
complexa, que não se deixa captar na mera expressão comportamental dos indivíduos. Embora as
teorias comportamentais sejam amplamente utilizadas pela educação, e tenham demonstrado ser
eficientes naquilo a que se propõem, é preciso recolocar os objetivos da prática educativa, situando-
os para além da esfera comportamental. Se a educação quer realmente transformar a realidade, não
basta investir na mudança dos comportamentos sem intervir nas condições do mundo em que as
pessoas habitam.
E

francisco disse...

Quando tratamos de educação e meio ambiente, coloca-se o problema dos maus
comportamentos. Comportamentos de agressão à natureza e aos espaços comuns são considerados
maus hábitos que a educação, como um instrumento de socialização, deve mudar, reforçando
atitudes de conservação e respeito à natureza. É ainda corrente, em educação ambiental,
construirmos a imagem do mundo como uma nave, a nave Terra, constituída por um meio ambiente
físico que já está dado desde sempre, onde os homens são os usuários, consumidores que podem se
comportar melhor ou pior em relação ou seu ambiente, conforme forem sensibilizados pela educação.
Gostaria de partir desses pressupostos, comuns na educação ambiental, para colocar alguns
problemas e sugerir novos elementos para um outro entendimento da relação entre educação, meio
ambiente e cidadania.
Restringir a educação ao campo da mudança de comportamento é um primeiro problema que
parece longe de ser resolvido na educação de modo geral, e especialmente na educação ambiental.
A educação quer transformar a realidade, mas, se entende a realidade como a soma de
comportamentos individuais, fica limitada ao campo da aprendizagem, no sentido comportamental do
termo, isto é, restringe-se ao campo do condicionamento, do adestramento, do treinamento. Não que
essa dimensão não exista, mas a questão que se coloca para o educador é: até que ponto ela dá
conta da complexidade da ação humana?
Sem dúvida, educar é uma tarefa muito difícil. Não é por acaso que Freud considerou a
educação como uma das três atividades impossíveis, juntamente com governar e psicanalisar.
Contudo, a impossibilidade para a qual nos alerta Freud aparece justamente quando
ultrapassamos a esfera dos comportamentos e da ordem, e adentramos em um outro campo, aquele
das forças que determinam os comportamentos. Aí vamos encontrar os valores construídos histórica
e socialmente: o desejo, no sentido psicanalítico, que é uma força para além da vontade consciente e
imediata de alguma coisa; e a Ação política, no seu senso mais amplo.
A formação dos valores, o exercício do desejo e da Ação constituem uma trama muito
complexa, que não se deixa captar na mera expressão comportamental dos indivíduos. Embora as
teorias comportamentais sejam amplamente utilizadas pela educação, e tenham demonstrado ser
eficientes naquilo a que se propõem, é preciso recolocar os objetivos da prática educativa, situando-
os para além da esfera comportamental. Se a educação quer realmente transformar a realidade, não
basta investir na mudança dos comportamentos sem intervir nas condições do mundo em que as
pessoas habitam.

gaara.vs.sasuke@hotmail.com disse...

Quando tratamos de educação e meio ambiente, coloca-se o problema dos maus
comportamentos. Comportamentos de agressão à natureza e aos espaços comuns são considerados
maus hábitos que a educação, como um instrumento de socialização, deve mudar, reforçando
atitudes de conservação e respeito à natureza. É ainda corrente, em educação ambiental,
construirmos a imagem do mundo como uma nave, a nave Terra, constituída por um meio ambiente
físico que já está dado desde sempre, onde os homens são os usuários, consumidores que podem se
comportar melhor ou pior em relação ou seu ambiente, conforme forem sensibilizados pela educação.
Gostaria de partir desses pressupostos, comuns na educação ambiental, para colocar alguns
problemas e sugerir novos elementos para um outro entendimento da relação entre educação, meio
ambiente e cidadania.
Restringir a educação ao campo da mudança de comportamento é um primeiro problema que
parece longe de ser resolvido na educação de modo geral, e especialmente na educação ambiental.
A educação quer transformar a realidade, mas, se entende a realidade como a soma de
comportamentos individuais, fica limitada ao campo da aprendizagem, no sentido comportamental do
termo, isto é, restringe-se ao campo do condicionamento, do adestramento, do treinamento. Não que
essa dimensão não exista, mas a questão que se coloca para o educador é: até que ponto ela dá
conta da complexidade da ação humana?
Sem dúvida, educar é uma tarefa muito difícil. Não é por acaso que Freud considerou a
educação como uma das três atividades impossíveis, juntamente com governar e psicanalisar.
Contudo, a impossibilidade para a qual nos alerta Freud aparece justamente quando
ultrapassamos a esfera dos comportamentos e da ordem, e adentramos em um outro campo, aquele
das forças que determinam os comportamentos. Aí vamos encontrar os valores construídos histórica
e socialmente: o desejo, no sentido psicanalítico, que é uma força para além da vontade consciente e
imediata de alguma coisa; e a Ação política, no seu senso mais amplo.
A formação dos valores, o exercício do desejo e da Ação constituem uma trama muito
complexa, que não se deixa captar na mera expressão comportamental dos indivíduos. Embora as
teorias comportamentais sejam amplamente utilizadas pela educação, e tenham demonstrado ser
eficientes naquilo a que se propõem, é preciso recolocar os objetivos da prática educativa, situando-
os para além da esfera comportamental. Se a educação quer realmente transformar a realidade, não
basta investir na mudança dos comportamentos sem intervir nas condições do mundo em que as
pessoas habitam.

francisco disse...

Quando tratamos de educação e meio ambiente, coloca-se o problema dos maus
comportamentos. Comportamentos de agressão à natureza e aos espaços comuns são considerados
maus hábitos que a educação, como um instrumento de socialização, deve mudar, reforçando
atitudes de conservação e respeito à natureza. É ainda corrente, em educação ambiental,
construirmos a imagem do mundo como uma nave, a nave Terra, constituída por um meio ambiente
físico que já está dado desde sempre, onde os homens são os usuários, consumidores que podem se
comportar melhor ou pior em relação ou seu ambiente, conforme forem sensibilizados pela educação.
Gostaria de partir desses pressupostos, comuns na educação ambiental, para colocar alguns
problemas e sugerir novos elementos para um outro entendimento da relação entre educação, meio
ambiente e cidadania.
Restringir a educação ao campo da mudança de comportamento é um primeiro problema que
parece longe de ser resolvido na educação de modo geral, e especialmente na educação ambiental.
A educação quer transformar a realidade, mas, se entende a realidade como a soma de
comportamentos individuais, fica limitada ao campo da aprendizagem, no sentido comportamental do
termo, isto é, restringe-se ao campo do condicionamento, do adestramento, do treinamento. Não que
essa dimensão não exista, mas a questão que se coloca para o educador é: até que ponto ela dá
conta da complexidade da ação humana?
Sem dúvida, educar é uma tarefa muito difícil. Não é por acaso que Freud considerou a
educação como uma das três atividades impossíveis, juntamente com governar e psicanalisar.
Contudo, a impossibilidade para a qual nos alerta Freud aparece justamente quando
ultrapassamos a esfera dos comportamentos e da ordem, e adentramos em um outro campo, aquele
das forças que determinam os comportamentos. Aí vamos encontrar os valores construídos histórica
e socialmente: o desejo, no sentido psicanalítico, que é uma força para além da vontade consciente e
imediata de alguma coisa; e a Ação política, no seu senso mais amplo.
A formação dos valores, o exercício do desejo e da Ação constituem uma trama muito
complexa, que não se deixa captar na mera expressão comportamental dos indivíduos. Embora as
teorias comportamentais sejam amplamente utilizadas pela educação, e tenham demonstrado ser
eficientes naquilo a que se propõem, é preciso recolocar os objetivos da prática educativa, situando-
os para além da esfera comportamental. Se a educação quer realmente transformar a realidade, não
basta investir na mudança dos comportamentos sem intervir nas condições do mundo em que as
pessoas habitam.

Annelize disse...

O Meio Ambiente

A Poluição
A poluição do meio ambiente é provocada por agentes que perturbam o equilíbrio natural dos ecossistemas, tem sido uma das maiores preocupações do séc. XXI.
Entre os vários tipos de poluição que existe, a poluição atmosférica é aquela que tem vindo a aumentar, apresentando várias consequências negativas.
O ar é fundamental para a sobrevivência da Humanidade. No entanto, sem qualquer cuidado, o Homem tem poluído a atmosfera, alterando a sua composição.
Poluição atmosférica
Ao longo dos séculos, a atmosfera tem sofrido grandes alterações, recebendo grandes quantidades de dióxido de carbono, de dióxido de enxofre e de metano. Estes gases resultam não só da actividade industrial propriamente dita, como também das alterações nos tipos de combustíveis utilizados para os transportes e a produção de energia.

ANNELIZE SILVA

nayanny disse...

TRABALHO SOBRE MEIO AMBIENTE

Com o surgimento, há algumas décadas, dos estudos ambientais, criou-se o conceito de meio ambiente, o qual se limitava a se relacionar apenas às condições naturais, mas após a Conferência sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, a Rio-92, o fator humano passou a integrá-lo, incluindo os problemas do homem como relacionados diretamente à problemática ambiental como a pobreza, o urbanismo etc. Assim, o conceito apenas clássico perdeu sentido ante as novas proposições da referida conferência.
Aliás, na Agenda 21, que é o documento emanado da citada conferência e que deu as diretrizes ao desenvolvimento da sociedade para o século 21, constam inúmeras passagens onde está claro que o conceito de meio ambiente ganhou um universo muito mais amplo.
Em termos de legislação também observamos esta evolução. O art.3º, I, da Lei 6.938/81, definiu meio ambiente como "o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas. Posteriormente, com base na Constituição Federal de 1988, passou-se a entender também que o meio ambiente divide-se em físico ou natural, cultural, artificial e do trabalho. Meio ambiente físico ou natural é constituído pela flora, fauna, solo, água, atmosfera etc, incluindo os ecossistemas (art. 225, §1º, I, VII). Meio ambiente cultural constitui-se pelo patrimônio cultural, artístico, arqueológico, paisagístico, manifestações culturais, populares etc (art.215, §1º e §2º). Meio ambiente artificial é o conjunto de edificações particulares ou públicas, principalmente urbanas (art.182, art.21,XX e art.5º, XXIII) e meio ambiente do trabalho é o conjunto de condições existentes no local de trabalho relativos à qualidade de vida do trabalhador (art.7, XXXIII e art.200).
Podemos, ainda, conceituar meio ambiente do trabalho como "o conjunto de fatores físicos, climáticos ou qualquer outro que interligados, ou não, estão presentes e envolvem o local de trabalho da pessoa". Apesar desta definição aparentar certo individualismo, isto não acontece pois ante a importância da proteção dos trabalhadores e o interesse e obrigação do Estado de protegê-los, como demonstrado na legislação constitucional, o conceito extrapola na prática o aparente individualismo, tomando conotações de um direito transindividual ao mesmo tempo que difuso.
Portanto, o homem passou a integrar plenamente o meio ambiente no caminho para o desenvolvimento sustentável preconizado pela nova ordem ambiental mundial; conseqüência disto é a consideração de que o meio ambiente do trabalho também faz parte do conceito mais amplo de ambiente, de forma que deve ser considerado como bem a ser protegido pelas legislações para que o trabalhador possa usufruir de uma melhor qualidade de vida.
Examinado brevemente o tema em termos de legislação constitutiva e conceituação jurídica, resta verificar a sua proteção jurídica.
Como dito nossa Constituição Federal incluiu entre os direitos dos trabalhadores o de ter reduzido os riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança (art.7º, XXII), e determinou que no sistema de saúde o meio ambiente do trabalho deve ser protegido (art.200, VIII), mostrando uma moderna posição com relação ao tema, de forma que as questões referentes ao meio ambiente do trabalho transcendem a questão de saúde dos próprios trabalhadores, extrapolando para toda a sociedade.

NAYANNYY

Liliane disse...

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E TRABALHO
O movimento sindical pode ajudar a melhorar o ambiente




O homem é o único animal que modifica a natureza, muitas vezes de forma irreversível. Faz isso desde que aprendeu a construir sua casa, cultivar os alimentos, domesticar os animais e explorar os minerais. A sociedade moderna intensifica de forma tão alarmante este processo, que compromete a vida no planeta. O objetivo? Aumentar o lucro capitalista.A revolução industrial acelerou a degradação da natureza, com o uso de combustíveis fósseis (inicialmente carvão, hoje petróleo e gás). O crescimento das áreas cultivadas e a extração mineral destruíram vegetações nativas e florestas. Em conseqüência, os rios foram afetados, com redução do seu volume e da qualidade de suas águas. Inúmeras espécies animais e vegetais foram extintas.
Muitas áreas são destruídas em nome da urbanização e do crescimento. A Praia Formosa foi completamente aterrada. É lá que se encontra, hoje, a Rodoviária Novo Rio e a foz do Canal do Mangue (um dos pontos mais poluídos da Baía de Guanabara).
Outro exemplo é o aterro da orla marítima desde o Caju até Botafogo. Ele destruiu o Saco São Diogo, as enseadas da Gamboa, Saúde, Valongo, Valonguinho, Prainha (Praça Mauá), Glória e todas as praias desse trecho de litoral. A remoção do Morro do Castelo e o aterro do arquipélago que hoje forma a Ilha do Fundão, são mais duas intervenções urbanísticas desastrosas.
Hoje existe uma crescente tomada de consciência ecológica e uma legislação ambiental. Em algumas regiões, a destruição vem sendo interrompida ou mesmo revertida, a exemplo da Restinga da Marambaia e de outras áreas de proteção ambiental, na cidade do Rio de Janeiro.
Mas os interesses econômicos continuam estimulando muitas agressões ao meio ambiente, com a conivência dos órgãos públicos e muitas vezes dos meios de comunicação. É o caso da progressiva poluição da Baía de Guanabara.
Hoje sabemos que as substâncias descartadas, que poluem o meio ambiente, são matérias-primas e energia desperdiçadas. A reciclagem ganha espaço. Processos industriais limpos - que usam filtros para evitar a poluição atmosférica, por exemplo - podem até significar economia para as empresas. A saúde do planeta depende de uma mudança de mentalidade. Devemos exigir investimentos na prevenção de acidentes e em tecnologias para utilização racional de energia e água e para redução do descarte de efluentes.

Liliane disse...

Brasil se comprometerá a reduzir queimadas em 80%,

RIO - O Brasil pretende assumir o compromisso "externo e obrigatório" na Conferência sobre Mudança Climática das Nações Unidas, que será realizada em dezembro, em Copenhague, de reduzir em cerca de 80% o desmatamento na Amazônia, até 2020. A posição do governo Lula foi antecipada ontem pelo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, em seu segundo e último dia de participação na Convenção da ONU para o Combate à Desertificação (COP-9), que começou em 21 de setembro e termina sexta-feira.
- Será um compromisso do Brasil com o mundo - disse Minc, que, no próximo dia 13, se reunirá com o presidente Lula para definir outras metas a serem apresentadas pelo Brasil em Copenhague.
( Efeitos extremos das mudanças no clima podem vir já em 2050 )
Corte é de 5 bilhões de toneladas de CO2
O ministro lembrou que atualmente o governo tem uma meta "interna e voluntária" de redução de 70% do desmatamento na Amazônia até 2017. De acordo com cálculos do Ministério do Meio Ambiente, hoje o desmatamento representa de 60% a 64% das emissões brasileiras de gases que provocam o efeito estufa.
- Uma redução de 80% representa em torno de 5 bilhões de toneladas de gás carbônico, volume que é muito significativo e supera a soma do que foi comprometido pelos países que assinaram a declaração de Kyoto - destacou Minc, um dos mais aplaudidos no plenário de ontem.
Até agora o país vinha se recusando a adotar metas compulsórias. Se a proposta de Minc se confirmar, representa uma grande mudança de postura do governo para a reunião do clima. O governo brasileiro também está elaborando metas para reduzir a taxa de crescimento das emissões totais, mas os números ainda não foram fechados. O trabalho está sendo realizado em parceria com o Ministério da Fazenda e com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).
- No caso do Brasil, a ideia é diminuir o ritmo de crescimento das emissões. Já os países ricos devem se comprometer a reduzi-las - explicou.
yara

gaara disse...

TRABALHO NA ADOLESCÊNCIA PODE SER PREJUDICIAL A SAÚDE [BLUE]

Quem diria? Trabalhar pode fazer mal aos jovens. Diferentemente do trabalho infantil rural, ninguém lembra dos office-boys, dos cobradores de vans ou dos empacotadores em supermercados que, além de trabalhar, também estudam. O trabalho desses menores urbanos passa despercebido ou, o que é pior, é visto como leve e até benéfico para eles. Uma pesquisadora da USP acaba de demonstrar que isso não é verdade. A dupla atividade é penosa e prejudicial à formação intelectual e social desses jovens.

Para conhecer de perto a vida e o trabalho de adolescentes do ensino médio, a bióloga Frida Marina Fischer, da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, juntamente com uma equipe multidisciplinar, estudou 354 alunos, de 14 a 18 anos, de um colégio estadual da cidade de São Paulo. Segundo a pesquisadora, essas atividades têm características diferentes das rurais. O número de acidentes de trabalho, por exemplo, é menor na cidade. Mas, em contrapartida, na escola estudada, os alunos relatam condições de insalubridade, de desconforto por ter de trabalhar em pé, com posturas inadequadas e cansativas.

Os resultados da pesquisa não deixam dúvidas. Dos 354 alunos pesquisados, 52% trabalham e outros 24% estão desempregados, portanto já trabalharam. Dos empregados, 62% sentem dores no corpo por causa do trabalho. O estudo mostra ainda que aqueles que estão submetidos a maiores exigências psicológicas têm três vezes mais chances de sentirem dores no corpo do que os que não sofrem esse tipo de pressão.

israelane disse...

Os Adolecentes e Jovens PDF Imprimir E-mail
Escrito por Documento de Aparecida
Sáb, 04 de Julho de 2009 00:00

OS ADOLESCENTES E JOVENS


442. Merece especial atenção a etapa da adolescência. Os adolescentes não são crianças nem são jovens. Estão na idade da procura de sua própria identidade, de independência frente a seus pais, de descoberta do grupo. Nesta idade, facilmente podem ser vítimas de falsos líderes constituindo grupos. É necessário estimular a pastoral dos adolescentes, com suas próprias características, que garanta sua perseverança e o crescimento na fé. O adolescente procura uma experiência de amizade com Jesus.


443. Os jovens e adolescentes constituem a grande maioria da população da América latina e do Caribe. Representam um enorme potencial para o presente e futuro da Igreja e de nossos povos como discípulos e missionários do Senhor Jesus. Os jovens são sensíveis para descobrir sua vocação a ser amigos e discípulos de Cristo. São chamados a ser “sentinelas da manhã251”, comprometendo-se na renovação do mundo à luz do Plano de Deus. Não temem o sacrifício nem a entrega da própria vida, mas sim uma vida sem sentido. Por sua generosidade, são chamados a servir a seus irmãos, especialmente aos mais necessitados, com todo seu tempo e sua vida. Tem capacidade para se opor às falsas ilusões de felicidade e aos paraísos enganosos das drogas, do prazer, do álcool e de todas as formas de violência. Em sua procura pelo sentido da vida, são capazes e sensíveis para descobrir o chamado particular que o Senhor Jesus lhes faz. Como discípulos missionários, as novas gerações são chamadas a transmitir a seus irmãos jovens, sem distinção alguma, a corrente de vida que procede de Cristo e a compartilhá-la em comunidade, construindo a Igreja e a sociedade.

444. Por outro lado, constatamos com preocupação que inumeráveis jovens do nosso continente passam por situações que os afetam significativamente: as sequelas da pobreza, que limitam o crescimento harmônico de suas vidas e geram exclusão; a socialização cuja transmissão de valores já não acontece primariamente nas instituições tradicionais, mas em novos ambientes não isentos de uma forte carga de alienação; e sua permeabilidade às formas novas de expressões culturais, produto da globalização, que afeta sua própria identidade pessoal e social. São presa fácil das novas propostas religiosas e pseudo-religiosas. As crises, pelas quais passa a família hoje em dia, produz profundas carências afetivas e conflitos emocionais.

445. Estão muito afetados por uma educação de baixa qualidade, que os deixa por baixo dos níveis necessários de competitividade, somado aos enfoques antropológicos reducionistas, que limitam seus horizontes de vida e dificultam a tomada de decisões duradouras. Vê-se ausência de jovens na esfera política devido á desconfiança que geram as situações de corrupção, o desprestígio dos políticos e a procura de interesses pessoais frente ao bem comum. Constata-se com preocupação suicídios de jovens. Outros não tem possibilidades de estudar ou trabalhar e muitos deixam seus países por não encontrar neles um futuro, dando assim ao fenômeno da mobilidade humana e da migração um rosto juvenil. Preocupa também o uso indiscriminado e abusivo que muitos jovens fazem da comunicação virtual.

446. Diante destes desafios sugerimos algumas linhas de ação:

israelane disse...

ada ou o matrimônio. Durante o processo de acompanhamento vocacional, irá aos poucos introduzindo gradualmente os jovens na oração pessoal e na lectio divina, na freqüência aos sacramentos da Eucaristia e da Reconciliação, da direção espiritual e do apostolado.
d) Privilegiar na Pastoral da Juventude processos de educação e amadurecimento na gélica pelos pobres e necessitados.
f) É Os Adolecentes e Jovens PDF Imprimir E-mail
Escrito por Documento de Aparecida
Sáb, 04 de Julho de 2009 00:00

OS ADOLESCENTES E JOVENS


442. Merece especial atenção a etapa da adolescência. Os adolescentes não são crianças nem são jovens. Estão na idade da procura de sua própria identidade, de independência frente a seus pais, de descoberta do grupo. Nesta idade, facilmente podem ser vítimas de falsos líderes constituindo grupos. É necessário estimular a pastoral dos adolescentes, com suas próprias características, que garanta sua perseverança e o crescimento na fé. O adolescente procura uma experiência de amizade com Jesus.


443. Os jovens e adolescentes constituem a grande maioria da população da América latina e do Caribe. Representam um enorme potencial para o presente e futuro da Igreja e de nossos povos como discípulos e missionários do Senhor Jesus. Os jovens são sensíveis para descobrir sua vocação a ser amigos e discípulos de Cristo. São chamados a ser “sentinelas da manhã251”, comprometendo-se na renovação do mundo à luz do Plano de Deus. Não temem o sacrifício nem a entrega da própria vida, mas sim uma vida sem sentido. Por sua generosidade, são chamados a servir a seus irmãos, especialmente aos mais necessitados, com todo seu tempo e sua vida. Tem capacidade para se opor às falsas ilusões de felicidade e aos paraísos enganosos das drogas, do prazer, do álcool e de todas as formas de violência. Em sua procura pelo sentido da vida, são capazes e sensíveis para descobrir o chamado particular que o Senhor Jesus lhes faz. Como discípulos missionários, as novas gerações são chamadas a transmitir a seus irmãos jovens, sem distinção alguma, a corrente de vida que procede de Cristo e a compartilhá-la em comunidade, construindo a Igreja e a sociedade.

444. Por outro lado, constatamos com preocupação que inumeráveis jovens do nosso continente passam por situações que os afetam significativamente: as sequelas da pobreza, que limitam o crescimento harmônico de suas vidas e geram exclusão; a socialização cuja transmissão de valores já não acontece primariamente nas instituições tradicionais, mas em novos ambientes não isentos de uma forte carga de alienação; e sua permeabilidade às formas novas de expressões culturais, produto da globalização, que afeta sua própria identidade pessoal e social. São presa fácil das novas propostas religiosas e pseudo-religiosas. As crises, pelas quais passa a família hoje em dia, produz profundas carências afetivas e conflitos emocionais.

445. Estão muito afetados por uma educação de baixa qualidade, que os deixa por baixo dos níveis necessários de competitividade, somado aos enfoques antropológicos reducionistas, que limitam seus horizontes de vida e dificultam a tomada de decisões duradouras. Vê-se ausência de jovens na esfera política devido á desconfiança que geram as situações de corrupção, o desprestígio dos políticos e a procura de interesses pessoais frente ao bem comum. Constata-se com preocupação suicídios de jovens. Outros não tem possibilidades de estudar ou trabalhar e muitos deixam seus países por não encontrar neles um futuro, dando assim ao fenômeno da mobilidade humana e da migração um rosto juvenil. Preocupa também o uso indiscriminado e abusivo que muitos jovens fazem da comunicação virtual.

446.

Annelize disse...

Drogas e Adolescência

Segundo a Organização Mundial da Saúde, "droga é toda a substância que, introduzida em um organismo vivo, pode modificar uma ou mais de suas funções". É entendida também como o nome genérico de substâncias químicas, naturais ou sintéticas, que podem causar danos físicos e psicológicos a seu consumidor. Seu uso constante pode levá-lo à mudança de comportamento e à criação de uma dependência, um desejo compulsivo de usar a droga regularmente, ao mesmo tempo que o usuário passa a apresentar problemas orgânicos decorrentes de sua falta.

À procura de sua identidade, o adolescente torna-se uma presa de fácil manipulação, tanto a nível grupal, como pela mídia, a qual estimula, por exemplo, o uso do álcool e do tabaco, apresentando-os como sinônimos de status e sucesso.

Não podemos nos esquecer, porém, que o incentivo às drogas pode ocorrer dentro do próprio seio familiar, seja pelo uso compulsivo de medicamentos pelos pais, que lhe ensinam subliminarmente que existem substâncias químicas que atenuam a dor e o sofrimento, seja pela cultura alcoólatra ou tabagista pregada dentro do próprio lar.

É comum também nesta fase, o adolescente apresentar um sentimento básico de solidão e sair a busca de algo que preencha este vazio, sentimento este que pode advir de uma época de carência afetiva de sua infância, de sua relação com os pais ou de suas próprias vivências.

Sabe-se que, atrás da compulsividade que leva à dependência, há um desejo a ser saciado, uma vontade de ser amado, de ser reconhecido, uma dor a ser esquecida, uma maneira de desligar-se da realidade indesejável.

Apesar dos fatores constitucionais terem grande influência sobre uma maior ou menor impulsividade e/ou sensibilidade afetiva, a presença da família é indispensável no combate e prevenção às drogas.


ANNELIZE SILVA

gaara disse...

Utopia

«Vem por aqui» - dizem-me Alguns com olhos doces, Estendendo-me os braços, e seguros de que seria bom que eu os ouvisse Quando me dizem: «vem por aqui»! Eu olho-os nos olhos lassos, (Há nos meus olhos alegrias e cansaços) E cruzo os braços, E nunca vou por ali... A minha glória é esta: Criar desumanidade! Não acompanhar ninguém. - Que eu vivo com o mesmo sem-vontade Com que rasguei o ventre de minha mãe. Não, não vou por ai! Só vou por onde Me levam meus próprios passos...
Quarta-feira, Agosto 27, 2008
A força do dinheiro

Peço desculpa pelo vocabulário mais ousado, mas como será possivel a confimação não seria possivel de outra forma.


UM HOMEM ENTROU NUMA DAS DEPENDÊNCIAS DO BCP, FOI AO CAIXA E DISSE:

- 'EU QUERO ABRIR A PORRA DUMA CONTA, NA MERDA DESTE BANCO, FAXAVOR!'

A MOÇA DA CAIXA, ESTUPEFACTA, PERGUNTOU:

- 'O SR. DESCULPE, MAS ACHO QUE NÃO OUVI BEM O QUE DISSE? NÃO SE IMPORTA, DE REPETIR?'

- 'BEM, VEJA LÁ SE OUVE DESTA VEZ, Ó CARALHO! EU DISSE, QUE QUERO ABRIR A PORRA DUMA CONTA, NA MERDA DESTE BANCO! DEMORA MUITO?'

ELA PEDIU LICENÇA, E FOI CONTAR A DESAGRADÁVEL SITUAÇÃO AO GERENTE, QUE CONCORDOU, QUE ELA NÃO ERA OBRIGADA A OUVIR TAL ALAVREADO. DIRIGIU-SE COM ELA AO BALCÃO;

- 'O SR. IMPORTA-SE DE ME DIZER, O QUE SE PASSA? TEM ALGUM PROBLEMA?'

- 'FODA-SE, NÃO HÁ MERDA, DE PROBLEMA NENHUM! EU, É QUE GANHEI OS 10 MILHÕES DE EUROS DA LOTARIA, E QUERO ABRIR A PORRA DUMA CONTA, NA MERDA DESTE BANCO. FODA-SE!'

- 'AH! PERCEBO PERFEITAMENTE... E ESTA PUTA ESTÁ A COMPLICAR AS COISAS AO SR., NÃO É?'NOSESS

gaara disse...

Utopia

«Vem por aqui» - dizem-me Alguns com olhos doces, Estendendo-me os braços, e seguros de que seria bom que eu os ouvisse Quando me dizem: «vem por aqui»! Eu olho-os nos olhos lassos, (Há nos meus olhos alegrias e cansaços) E cruzo os braços, E nunca vou por ali... A minha glória é esta: Criar desumanidade! Não acompanhar ninguém. - Que eu vivo com o mesmo sem-vontade Com que rasguei o ventre de minha mãe. Não, não vou por ai! Só vou por onde Me levam meus próprios passos...
Quarta-feira, Agosto 27, 2008
A força do dinheiro

Peço desculpa pelo vocabulário mais ousado, mas como será possivel a confimação não seria possivel de outra forma.


UM HOMEM ENTROU NUMA DAS DEPENDÊNCIAS DO BCP, FOI AO CAIXA E DISSE:

- 'EU QUERO ABRIR A PORRA DUMA CONTA, NA MERDA DESTE BANCO, FAXAVOR!'

A MOÇA DA CAIXA, ESTUPEFACTA, PERGUNTOU:

- 'O SR. DESCULPE, MAS ACHO QUE NÃO OUVI BEM O QUE DISSE? NÃO SE IMPORTA, DE REPETIR?'

- 'BEM, VEJA LÁ SE OUVE DESTA VEZ, Ó CARALHO! EU DISSE, QUE QUERO ABRIR A PORRA DUMA CONTA, NA MERDA DESTE BANCO! DEMORA MUITO?'

ELA PEDIU LICENÇA, E FOI CONTAR A DESAGRADÁVEL SITUAÇÃO AO GERENTE, QUE CONCORDOU, QUE ELA NÃO ERA OBRIGADA A OUVIR TAL ALAVREADO. DIRIGIU-SE COM ELA AO BALCÃO;

- 'O SR. IMPORTA-SE DE ME DIZER, O QUE SE PASSA? TEM ALGUM PROBLEMA?'

- 'FODA-SE, NÃO HÁ MERDA, DE PROBLEMA NENHUM! EU, É QUE GANHEI OS 10 MILHÕES DE EUROS DA LOTARIA, E QUERO ABRIR A PORRA DUMA CONTA, NA MERDA DESTE BANCO. FODA-SE!'

- 'AH! PERCEBO PERFEITAMENTE... E ESTA PUTA ESTÁ A COMPLICAR AS COISAS AO SR., NÃO É?'

francisco disse...

Utopia

«Vem por aqui» - dizem-me Alguns com olhos doces, Estendendo-me os braços, e seguros de que seria bom que eu os ouvisse Quando me dizem: «vem por aqui»! Eu olho-os nos olhos lassos, (Há nos meus olhos alegrias e cansaços) E cruzo os braços, E nunca vou por ali... A minha glória é esta: Criar desumanidade! Não acompanhar ninguém. - Que eu vivo com o mesmo sem-vontade Com que rasguei o ventre de minha mãe. Não, não vou por ai! Só vou por onde Me levam meus próprios passos...
Quarta-feira, Agosto 27, 2008
A força do dinheiro

Peço desculpa pelo vocabulário mais ousado, mas como será possivel a confimação não seria possivel de outra forma.


UM HOMEM ENTROU NUMA DAS DEPENDÊNCIAS DO BCP, FOI AO CAIXA E DISSE:

- 'EU QUERO ABRIR A PORRA DUMA CONTA, NA MERDA DESTE BANCO, FAXAVOR!'

A MOÇA DA CAIXA, ESTUPEFACTA, PERGUNTOU:

- 'O SR. DESCULPE, MAS ACHO QUE NÃO OUVI BEM O QUE DISSE? NÃO SE IMPORTA, DE REPETIR?'

- 'BEM, VEJA LÁ SE OUVE DESTA VEZ, Ó CARALHO! EU DISSE, QUE QUERO ABRIR A PORRA DUMA CONTA, NA MERDA DESTE BANCO! DEMORA MUITO?'

ELA PEDIU LICENÇA, E FOI CONTAR A DESAGRADÁVEL SITUAÇÃO AO GERENTE, QUE CONCORDOU, QUE ELA NÃO ERA OBRIGADA A OUVIR TAL ALAVREADO. DIRIGIU-SE COM ELA AO BALCÃO;

- 'O SR. IMPORTA-SE DE ME DIZER, O QUE SE PASSA? TEM ALGUM PROBLEMA?'

- 'FODA-SE, NÃO HÁ MERDA, DE PROBLEMA NENHUM! EU, É QUE GANHEI OS 10 MILHÕES DE EUROS DA LOTARIA, E QUERO ABRIR A PORRA DUMA CONTA, NA MERDA DESTE BANCO. FODA-SE!'

- 'AH! PERCEBO PERFEITAMENTE... E ESTA PUTA ESTÁ A COMPLICAR AS COISAS AO SR., NÃO É?'abi

forrozeiras disse...

Às vezes, é necessário que um grande filósofo morra para descobrirmos detalhes em seus escritos que não teriam sido percebidos quando ele estava vivo. É o velho adágio: não prestamos atenção ao sol enquanto ele está aí, etc. e tal. Foi o caso do polonês Leszek Kolakowski, que, como vocês sabem, morreu na semana passada aos 81 anos.

Entre um texto e outro que serviu de tributo ao filósofo - em geral, publicados no mundo anglo-saxão, pois, comme il faut, a inteligentsia tupiniquim sequer fez um obituário decente - redescobri, graças aos blogs de Nick Cohen e Michael Weiss, uma singela troca de cartas entre E.P.Thompson, o historiador marxista que, de tão ultrapassado, nem sequer é mais usado na USP (a alternativa caiu sob Eric Hobsbawn, o que não é uma grande mudança…), e o próprio Kolakowski, no annus domini de 1973.

Obviamente, esta foi uma polêmica que não foi muito divulgada provavelmente porque Kolakowski ganhou o debate por nocaute.

O motivo da discórdia foi simples: Thompson simplesmente resolveu pegar o polonês para Cristo. Afirmou que conhecia a sua obra e perguntava-se como Kolakowski, que tinha sido membro do Partido Comunista na Polônia durante as décadas de 40 e 50, podia não só sair das delícias partidárias como também abandonar o Socialismo para sempre.

O tom do historiador britânico é exagerado e, muitas vezes, parece que ele está a fazer um discurso incitando o expurgo de alguém. Talvez não tenha sido por acaso que sua “carta aberta” (como ele intitulou o escrito) tenha cem páginas de extensão.

Kolakowski precisou somente de vinte páginas para responder a todos pontos importantes apresentados por Thompson, talvez porque quisesse homenagear Shakespeare, que, através da rainha Gertrudes, dizia que brevity is the soul of wit.

Liliane disse...

A força e a coragem feminina é uma utopia?
O que há de errado com as mulheres?
Antes que se ofendam e me queimem viva num tronco de árvore, por favor, leiam e procurem ser respeitosos. Busco opiniões de pessoas maduras e necessito compreender certos comportamentos femininos.

Acompanhando o caso do monstruoso médico na tv, fiquei mais uma vez impressionada com a passividade feminina. Sempre fiquei furiosa quando me diziam que "mulheres são naturalmente passivas" ou "nascidas para serem subjugadas" e eu naturalmente sentia o meu ego ferido e logo procurava retribuir lançando todo o tipo de críticas como o velho "você é um tremendo de um machista!", mas agora, eu me sinto esgotada e confusa com as minhas convicções.
Vi o jornal e li também outras reportagens e não consigo compreender como tantas mulheres (mais de 50!!!!) puderam se calar por tanto tempo. São mulheres da classe média alta, instruídas, muitas com boa formação... por que diabos esperaram alguma corajosa se manifestar para fazer algo?
Li o depoimento de uma das vítimas dizendo que "não denunciou o médico porque o sonho de ser mãe era maior..." Será que sou eu a insensível, pois nunca tive um sonho que me fizesse perder o senso de justiça e de cidadania? Estamos falando sobre crime de estupro, assédio, humilhação!

Annelize disse...

Uma Utopia Possível

Vivemos um tempo extremamente difícil para a humanidade. Inúmeros acontecimentos de ordem moral, ética, política, social e econômica têm levado as pessoas a variadas experiências e lutas pela sobrevivência. O sofrimento está escancarado diante de nós. Lamentavelmente, o mundo ainda é um lugar onde convivemos com a dura realidade dos altos índices de injustiça em suas diversas facetas. A impunidade e a violência física e ideológica também nos chocam diariamente. Estes fatores agregados a outros tem transformado os seres humanos em indivíduos coisificados, desprovidos de seus direitos básicos, necessários à sobrevivência. O que fazer diante deste quadro? Como podemos reverter esta situação e restaurar a dignidade de homens e mulheres que, incessantemente, são marginalizados pela imposição do sistema globalizado escravizador, empobrecedor e assassino?

Como cidadãos e cidadãs conscientes de nossa responsabilidade na construção de um mundo justo, solidário, politicamente honesto, economicamente humano, que condena a discriminação, o preconceito, a desigualdade e que se empenha pela preservação da vida, somos orientados biblicamente a encontrarmos saídas para superação dos desafios que estão diante de nós. Humanamente é uma “Missão quase impossível”. Eu disse quase impossível. Quase significa que há possibilidades: Por um lado, testemunhamos que Deus tem acompanhado o mundo e a nós e, por outro, a esperança de transformação social, política e econômica do mundo está cada vez mais viva dentro de cada um de nós. Isto nos faz perseverar na busca pelas mudanças desejadas e necessárias. Então, se empreendermos esforços conjuntos poderemos cumprir essa Missão.

Para refletirmos sobre isto, apresento um texto Bíblico rico em possibilidades e alternativas. Ele está localizado no Novo Testamento, em Atos dos Apóstolos 2.42-47, com as seguintes palavras: “Todos se mostravam assíduos ao ensinamento dos apóstolos, à comunhão fraterna, à partilha do pão e às orações (...). Todos os que tinham abraçado a fé reuniam-se e punham tudo em comum: vendiam suas propriedades e bens, e dividiam-nos entre todos, segundo as necessidades de cada um. Dia após dia, unânimes, mostravam-se assíduos no Templo e partiam o pão pelas casas, tomando o alimento com alegria e simplicidade de coração...”

ANNELIZE SILVA

forrozeiras disse...

1''Inteligência Emocional''-1 É preciso saber viver

2''Networking-'' 2 A finidades Profissionais -Hoje eu vou precisar de você,amanhã você poderá precisar de mim,isso é Networking é convivência com atitude para um novo mundo.

3''Processo Gerenciais-''Capacitação de pessoas nas Empresas.Com suas Avaliações e Empenhos na Empresa na Empresa com seu desenvolvimento produtivo e Tecnologico.
Micro estrutura- Divisão de uma Organização

4 Liderança Nas Organizações
Aprendizado,Determinação,Persistência,Liderança,Trabalho em Equipe,Autonomia,Motivação,Harmonia e Superação

5 Empreendedorismo nas Empresas Marcella Lopes

gaara disse...

Concecionario de carros


Jay Austins Motors.um revendedor de automóveis fala de vender um carro e o seu amigo é cliente Scott assina seus papéis para ficar com o carro .
Os carros usados,podem valer uma nota para concessionária

Seu filho praticamente é muito especial ,só que o seu pai ñ dá nem atenção .então Jay percebe que o seu filho Thood fala a respeito de sua convivência familiar .

Então sua familia vai para igreja em ua emocionantea presentação do coral da igreja Jay faz uma orenda e oferta.

Jay oferece o carro para outro comparador e fala com ele para dar uma volta no automóvel;logo vende outro carro.Sua habilidade é impressionante como vendedor.

Com o seu conhecimento sua atilidade de fazer amigos e com uma atitude impressionante ele é um ótimo vendedor.Porém uma ligação para Jay,é um orretor de imóveis cobrando a hipoteca da concessionária para ele pagar que esta atrasado a vários dias ,e ficando bastante preocupado.

nayanny disse...

FILME ‘ A VIRADA


ESTE FILME RELATA A VIDA DE UM HOMEM VENDEDOR CARROS USADOS E COMO TUDO ACONTECEU COM O PASSAR DO TEMPO MUDADO COMPLETAMENTE TODA SUA VIDA E SUA FÉ.

CONCESSIONÁRIA DE CARROS JAY AUSTIN MOTOR : WE FINANCE (NOS FINANCIAMOS ).

JAY AUSTIN UM VENDEDOR DE CORROS USADOS TEM UM LOJA DE AUTOMÓVEIS VELHOS E USADOS DE BOA QUALIDADES E DE BOM PREÇO, UM AMIGO SEU SCOTT CHEGA NA LOJA PARA COMPRAR UM CARRO E ELE TENTA C0NVENÇÊ-LO A FICA COM UM CARRO, AI ELE ASSINA OS INTELIGENTE E ESPECIAL , ESTUDIOSO E EDUCADO SÓ QUE JAY NAÔ DA ATENÇAÔ A ELE, POIS TODD FALA COM ELE SOBRE SUA COVIVÊNCIA EM FAMILIA E ESPECIALMENTE COM TODOS DE SUA CASA QUE NÃO ESTA DANDO CERTO FICAR COM RAIVA DELES E DE SI MESMO ..

NAYANNYY.

Liliane disse...

A RENOVAÇÃO DA CATEQUESE


Repetição nunca foi sinal ou prova de ortodoxia. Noutras palavras, quem quiser ser fiel à Igreja não precisa ficar o tempo todo repetindo frases da bí
blia, fórmulas do concílios, expressões dos santos padres, das autoridades,dos
téologos. O que representa conquista da teologia, da cataquese, da liturgia,
da história, da espiritualidade etc. Merece ser conhecido estudado, respeitado
mas oque adianta a mera repetição?

podemos exemplificar. O mundo tem uma população que ultrapassa os 6
bilhoẽs de habitantes . Os cristãos são calculados em torno de 1 bilhão e 300
milhões. Mesmo que supondo que 2 bilhões de pessoa conheçam o cristianismo , ainda assim 2/3 da população mundial não entendem a linguagem muçulmana, judica,budista,as religiões africanas ou indíginas,todas
elas com milhões de adeptos [ roqeira eheh]

nayanny disse...

FILME ‘ A VIRADA


ESTE FILME RELATA A VIDA DE UM HOMEM VENDEDOR CARROS USADOS E COMO TUDO ACONTECEU COM O PASSAR DO TEMPO MUDADO COMPLETAMENTE TODA SUA VIDA E SUA FÉ.

CONCESSIONÁRIA DE CARROS JAY AUSTIN MOTOR : WE FINANCE (NOS FINANCIAMOS ).

JAY AUSTIN UM VENDEDOR DE CORROS USADOS TEM UM LOJA DE AUTOMÓVEIS VELHOS E USADOS DE BOA QUALIDADES E DE BOM PREÇO, UM AMIGO SEU SCOTT CHEGA NA LOJA PARA COMPRAR UM CARRO E ELE TENTA C0NVENÇÊ-LO A FICA COM UM CARRO, AI ELE ASSINA OS INTELIGENTE E ESPECIAL , ESTUDIOSO E EDUCADO SÓ QUE JAY NAÔ DA ATENÇAÔ A ELE, POIS TODD FALA COM ELE SOBRE SUA COVIVÊNCIA EM FAMILIA E ESPECIALMENTE COM TODOS DE SUA CASA QUE NÃO ESTA DANDO CERTO FICAR COM RAIVA DELES E DE SI MESMO ..

NAYANNYY.

Annelize disse...

CONCLUSÃO

Esse livro é dirigido principalmente aos jovens;jovens são a mairia de seus leitores.Penso que não haja assunto e realidade mais central,mais presente e mais quente para a juventude de hoje que essa discussão sobre utopia.Dos jovens depende que ela chegue a se concretizar,a se fazer presente.O futuro também é realidade,também faz parte das coisas possíveis.Não deixamos que nos convençam de que a liberdade,a igualdade,a fraternidade,a justiça são impossíveis.E a quem nos gritar nos ouvidos,ou nos sussurrar maciamente e sedutoramente que nos calemos,que nos fechemos,que façamos somente o que eles nos dizem ou indicam,nós devemos responder com a afirmação dos estudantes europeus que conseguiram,através de sua luta e coragem,mudar completamenteo ensino nas universidades:"Sejamos realistas:exijamos o impssível".
Não nos deixemos amarrar e aprisionar pelo que está aí.Oque está aí é apenas parte da verdade e da realidade.O futuro também faz parte da verdade e da realidade.E o futuro está sendo gerado no presente.Depende de nós fazê-lo nascer,toná-lo presente.Tudo é possível a quem quer.Essa a nossa conciência,a nossa convicção.O futuro nos pertence.O impossível não existe para nás."Sejamos realistas:exijamos o impossível".

ANNELIZE SILVA

carlla disse...

criança é um ser humano no início de seu desenvolvimento. São chamadas recém-nascidas do nascimento até um mês de idade; bebê, entre o segundo e o décimo-oitavo mês, e criança quando têm entre dezoito meses até oito anos de idade. O ramo da medicina que cuida do desenvolvimento físico e das doenças e/ou traumas físicos nas crianças é a pediatria. Os aspectos psicológicos do desenvolvimento da personalidade, com presença ou não de transtornos do comportamento, de transtornos emocionais, e/ou presença de neurose infantil - incluídos toda ordem de carências, negligências, violências e abusos, que não os deixa "funcionar" saudavelmente, com a alegria e interesses que lhes são natural - recebem a atenção da Psicologia Clínica Infantil (Psicólogos), através da Psicoterapia Lúdica. Os aspectos cognitivos (intelectual e social) é realizada pela Pedagogia (Professores), nas formalidades da vida escolar, desde a pré-escola, aos cinco anos de idade, ou até antes, aos 3 anos de idade.

jefesson disse...

Na infância o que se ouve ou o que se vê não sobe para o cérebro. Desce para o coração e aí fica escondido. Que todos os dias das ciranças sejam cheios de muitas cores, muitas aventuras e muitas alegrias! Feliz Dia das Crianças Todos os Dias!!!

gaara disse...

A HISTÓRIA DO DIA DA CRIANÇA

Como surgiu o Dia da Criança
O Dia das Crianças no Brasil foi "inventado" por um político. O deputado federal Galdino do Valle Filho teve a idéia de criar um dia em homenagem às crianças na década de 1920.

Na década de 1920, o deputado federal Galdino do Valle Filho teve a idéia de "criar" o dia das crianças. Os deputados aprovaram e o dia 12 de outubro foi oficializado como Dia da Criança pelo presidente Arthur Bernardes, por meio do decreto nº 4867, de 5 de novembro de 1924.

Mas somente em 1960, quando a Fábrica de Brinquedos Estrela fez uma promoção conjunta com a Johnson & Johnson para lançar a "Semana do Bebê Robusto" e aumentar suas vendas, é que a data passou a ser comemorada. A estratégia deu certo, pois desde então o dia das Crianças é comemorado com muitos presentes!

Logo depois, outras empresas decidiram criar a Semana da Criança, para aumentar as vendas. No ano seguinte, os fabricantes de brinquedos decidiram escolher um único dia para a promoção e fizeram ressurgir o antigo decreto.
A partir daí, o dia 12 de outubro se tornou uma data importante para o setor de brinquedos.

Como surgiu o Dia da Criança
O Dia das Crianças no Brasil foi "inventado" por um político. O deputado federal Galdino do Valle Filho teve a idéia de criar um dia em homenagem às crianças na década de 1920.

Na década de 1920, o deputado federal Galdino do Valle Filho teve a idéia de "criar" o dia das crianças. Os deputados aprovaram e o dia 12 de outubro foi oficializado como Dia da Criança pelo presidente Arthur Bernardes, por meio do decreto nº 4867, de 5 de novembro de 1924.

Mas somente em 1960, quando a Fábrica de Brinquedos Estrela fez uma promoção conjunta com a Johnson & Johnson para lançar a "Semana do Bebê Robusto" e aumentar suas vendas, é que a data passou a ser comemorada. A estratégia deu certo, pois desde então o dia das Crianças é comemorado com muitos presentes!

Logo depois, outras empresas decidiram criar a Semana da Criança, para aumentar as vendas. No ano seguinte, os fabricantes de brinquedos decidiram escolher um único dia para a promoção e fizeram ressurgir o antigo decreto.
A partir daí, o dia 12 de outubro se tornou uma data importante para o setor de brinquedos.

gaara disse...

Uma música nostálgica: Estrela de Papel (Carlitos) – Jessé

Nas imagens de um gibi
Ele é um herói
Faz de conta que sorri
Quando vai chorar

Com bandidos e cowboys
Faz um carrossel
Põe estrelas fora do lugar
Brinca num painel
Lá no céu

Meu herói tem um chapéu
Tem o cão leal do vagabundo
Tem um riso imortal
E não se cansa de amar

Mas se a vida chega ao fim
Deixa um grande herói

E eu vi num filme o meu herói
Zombar um ditador cruel
E vi um outro em que ele fez
Estrelas num cenário de papel

forrozeiras disse...

Dia 12 De Outubro e comemorado o dia das crianças ,e um dia muito especial para as crianças,que muitas vezes tem seus pais não podem dar brinquedos mas mesmo assim elas ficam muito alegre só em esta com seus pais pra elas já e tudo Marcella Lopes

Liliane disse...

liliane disse: dias das crianças e muito especial tanto para os pobres tanto pra os ricos

carlla disse...

As bolas de papel na cabeça,
Os inúmeros diários para se corrigir,
As críticas, as noites mal dormidas...
Tudo isso não foi o suficiente
Para te fazer desistir do teu maior sonho:
Tornar possíveis os sonhos do mundo.
Que bom que esta tua vocação
Tem despertado a vocação de muitos.
Parece injusto desejar-te um feliz dia dos professores,
Quando em seu dia-a-dia
Tantas dificuldades acontecem.
A rotina é dura, mas você ainda persiste.
Teu mundo é alegre, pois você
Consegue olhar os olhos de todos os outros
E fazê-los felizes também.
Você é feliz, pois na tua matemática de vida,
Dividir é sempre a melhor solução.
Você é grande e nobre, pois o seu ofício árduo lapida
O teu coração a cada dia,
Dando-te tanto prazer em ensinar.
Homenagens, frases poéticas,
Certamente farão parte do seu dia a dia,
E quero de forma especial, relembrar
A pessoa maravilhosa que você é
E a importância daquilo do seu ofício.
É por isto que você merece esta homenagem
Hoje e sempre, por aquilo que você é
E por aquilo que você faz.
Felicidades!!!

carlla disse...

As bolas de papel na cabeça,
Os inúmeros diários para se corrigir,
As críticas, as noites mal dormidas...
Tudo isso não foi o suficiente
Para te fazer desistir do teu maior sonho:
Tornar possíveis os sonhos do mundo.
Que bom que esta tua vocação
Tem despertado a vocação de muitos.
Parece injusto desejar-te um feliz dia dos professores,
Quando em seu dia-a-dia
Tantas dificuldades acontecem.
A rotina é dura, mas você ainda persiste.
Teu mundo é alegre, pois você
Consegue olhar os olhos de todos os outros
E fazê-los felizes também.
Você é feliz, pois na tua matemática de vida,
Dividir é sempre a melhor solução.
Você é grande e nobre, pois o seu ofício árduo lapida
O teu coração a cada dia,
Dando-te tanto prazer em ensinar.
Homenagens, frases poéticas,
Certamente farão parte do seu dia a dia,
E quero de forma especial, relembrar
A pessoa maravilhosa que você é
E a importância daquilo do seu ofício.
É por isto que você merece esta homenagem
Hoje e sempre, por aquilo que você é
E por aquilo que você faz.
Felicidades!!!

Liliane disse...

Ser transmissor de verdades,
De inverdades...
Ser cultivador de amor,
De amizades.
Ser convicto de acertos,
De erros.
Ser construtor de seres,
De vidas.
Ser edificador.
Movido por impulsos, por razão, por emoção.
De sentimentos profundos,
Que carrega no peito o orgulho de educar.
Que armazena o conhecer,
Que guarda no coração, o pesar
De valores essenciais
Para a felicidade dos “seus”.
Ser conquistador de almas.
Ser lutador,
Que enfrenta agruras,
Mas prossegue, vai adiante realizando sonhos,
Buscando se auto-realizar,
Atingir sua plenitude humana.
Possuidor de potencialidades.
Da fraqueza, sempre surge a força
Fazendo-o guerreiro.
Ser de incalculável sabedoria,
Pois “o valor da sabedoria é melhor que o de rubis”.
É...
Esse é o valor de ser educador.

Liliane disse...

Dia da Professora:

Frase de dia da Professora: Querida professora, uma coisa eu aprendi logo: respeitá-la. No Dia do Mestre, o meu carinho

Frase de dia da Professora: A Diretoria do ............. dedica, com estas flores, uma homenagem especial pelo empenho de seu Corpo Docente, credor de estima muito acima dos valores materiais.

Frase dia do Professor: Para o Mestre dos velhos tempos, uma lembrança neste dia que é todo seu.

Frase dia do Professor: Por suas lições e seus exemplos, nosso agradecimento. Da Turma......... Feliz dia do professor!

Frase de dia da Professora:À Mestra que vem iluminando o meu caminho, ofereço-lhe estas flores e o meu agradecimento. Vida o Dia do Mestre!

Frase dia do Professor:Já lhe disseram que ensinar é a mais nobre das missões. E eu lhe digo que você é um professor muito especial e, por isso, merece flores especiais.

Frase dia do Professor: Nossa homenagem pelo seu exemplo magnífico e pelo carinho com que orienta a nossa filha........

Frase de dia da Professora: Professora, fada milagrosa que ilumina os caminhos da nossa infância. Parabéns pelo Dia do Mestre!

Frase de dia da Professora: Sua missão é árdua, mas tem a grata recompensa de saber que cada coraçãozinho a ama.

Frase dia do Professor: Ao querido Mestre............., o seu eterno aluno....que até hoje ainda vive as suas lições. Feliz dia dos Professores!
yara

Annelize disse...

O que é cultura?

É comum dizermos que uma pessoa não possui cultura quando ela não tem contato com a leitura, artes, história, música, etc. Se compararmos um professor universitário com um indivíduo que não sabe ler nem escrever, a maior parte das pessoas chegaria à conclusão de que o professor é “cheio de cultura” e o outro, desprovido dela. Mas, afinal, o que é cultura?

Para o senso comum, cultura possui um sentido de erudição, uma instrução vasta e variada adquirida por meio de diversos mecanismos, principalmente o estudo. Quantas vezes já ouvimos os jargões “O povo não tem cultura”, “O povo não sabe o que é boa música”, “O povo não tem educação”, etc.? De fato, esta é uma concepção arbitrária e equivocada a respeito do que realmente significa o termo “cultura”.

Não podemos dizer que um índio que não tem contato com livros, nem com música clássica, por exemplo, não possui cultura. Onde ficam seus costumes, tradições, sua língua?

O conceito de cultura é bastante complexo. Em uma visão antropológica, podemos o definir como a rede de significados que dão sentido ao mundo que cerca um indivíduo, ou seja, a sociedade. Essa rede engloba um conjunto de diversos aspectos, como crenças, valores, costumes, leis, moral, línguas, etc.
Nesse sentido, podemos chegar à conclusão de que é impossível que um indivíduo não tenha cultura, afinal, ninguém nasce e permanece fora de um contexto social, seja ele qual for. Também podemos dizer que considerar uma determinada cultura (a cultura ocidental, por exemplo) como um modelo a ser seguido por todos é uma visão extremamente etnocêntrica.

ANNELIZE SILVA

gaara disse...

A CULTURA é fundamental para a compreensão de diversos valores morais e éticos que guiam nosso comportamento social. Entender como estes valores se internalizaram em nós e como eles conduzem nossas emoções e a avaliação do outro, é um grande desafio.

CULTURA - É o conjunto de atividades e modos de agir, costumes e instruções de um povo. É o meio pelo qual o homem se adapta às condições de existência transformando a realidade.

Cultura é um processo em permanente evolução, diverso e rico. É o desenvolvimento de um grupo social, uma nação, uma comunidade; fruto do esforço coletivo pelo aprimoramento de valores espirituais e materiais. É o conjunto de fenômenos materiais e ideológicos que caracterizam um grupo étnico ou uma nação ( língua, costumes, rituais, culinária, vestuário, religião, etc ), estando em permanente processo de mudança.

gaara disse...

A CULTURA


Cultura (do latim cultura, cultivar o solo, cuidar) é um conceito desenvolvido inicialmente pelo antropólogo Edward Burnett Tylor para designar o todo complexo e metabiológico criado pelo homem [1]. São práticas e ações sociais que seguem um padrão determinado no espaço. Refere-se a crenças, comportamentos, valores, instituições, regras morais que permeiam e identificam uma sociedade. Explica e dá sentido à cosmologia social; É a identidade própria de um grupo humano em um território e num determinado período.Cultura (do latim

cultura, cultivar o solo, cuidar) é um conceito desenvolvido inicialmente pelo antropólogo Edward Burnett Tylor para designar o todo complexo e metabiológico criado pelo homem [1]. São práticas e ações sociais que seguem um padrão determinado no espaço. Refere-se a crenças, comportamentos, valores, instituições, regras morais que permeiam e identificam uma sociedade. Explica e dá sentido à cosmologia social; É a identidade própria de um grupo humano em um território e num determinado período.

carla disse...

Cultura é o conjunto de manifestações artísticas, sociais, lingüísticas e comportamentais de um povo ou civilização. Portanto, fazem parte da cultura de um povo as seguintes atividades e manifestações: música, teatro, rituais religiosos, língua falada e escrita, mitos, hábitos alimentares, danças, arquitetura, invenções, pensamentos, formas de organização social, etc.

Uma das capacidades que diferenciam o ser humano dos animais irracionais é a capacidade de produção de cultura.

nayanny disse...

COMO MANTER A SAÚDE JOVEM

PARA O JOVEM PRESERVAR SUA SAÚDE É DE FUNDAMENTAL IMPORTANCIA FAZER EXERCICIOS FISICOS PARA O BOM FUNCIONAMENTO DA CIRCULAÇÃO DO SENGUE , REFOÇAR OS TECIDOS DÁ A NECESSÁRIA AGILIDADE AO CORPO ACENTUANDO O DOMINIO AGILIDADE DE SI MESMO .

UM DESSE EXERCICIO :DEITAR-SE DE COSTAS NO CHÃO ,ESTICAR BEM RETO PARA CIMA OS BRAÇOSEV AS PERNAS,E FAZER COM QUE ESTE
MEMBROS ESTICADOS PARA CIMA FIQUEM TREMENDO PELO MENOS POR UM MINUTOS Á NOITE ...

NAYANNY

gaara disse...

COMO MANTER A SAÚDE JOVEM


Exercitar a mente também é de fundamental importância.O pensamento humano cria aquilo que pensa .o medo ,por exemplo ,é um dos maiores venenospara o nosso corpo.Portanto,olhe as pessoas nos olhos e não tenha medo de nada e nem de ninguém.O medo produz hormôniosde stress:adrenalina e cortisona,e enfraquece aasdefesas orgânicas.Nós provocamos a doença com nossos pensamentos negativos.

Ter uma alimentação adequada e natural à base de frutas e verduras;ter água e ar puro .O sol é uma fonte de energia.Os três elementos juntos :ar,água e sol são irmãos inseparáveis e iguais em sua ação benéfica.Fazer banhos de sol diariamente,respirando profundamente,enchendo os pumões com ar ensolarado.Isso incorpora considerável energia solar ao sangue,fortalecendo e purificando os maus odores...

Francisco Marcos Masseno Bezerra

Marcos Moisés

Liliane disse...

ECOLOGIA E SAÚDE

COMO MANTER A SAÚDE JOVEM

A jovem setudante Maria Arlete Sales, 18 anos que não perdia um encontro com os colegasb nos finais de semana para saborear 'apetitosos'
hamburgers e xisburgers com coca-cola
na praça de alimentaçãono Mc donalds do shoping center, em São Luis, MA é mais uma vítima do uso abusivo de bebidas e alimentos artificiais deixando-se levae pela força da prpaganda, prejudivando sua saude e consequentemente comprometeu su vida

gaara disse...

COMO CUIDAR DO MEIO AMBIENTE



Nosso planeta é muito grande e tem mais de seis bilhões de pessoas, umas diferentes das outras. Todos nós temos uma série de direitos para nos proteger e ao mesmo tempo deveres a cumprir.

Fazer valer nossos direitos e agir de acordo com nossos deveres é o que nos torna cidadãos. Mas o ser humano só chegou a essa situação à medida em que foi percebendo que precisava viver junto com outras pessoas, em sociedade.

A vida em sociedade exige o cumprimento de certas regras. Respeitar as outras pessoas, suas escolhas e opiniões é uma delas. Jogar lixo nos lugares apropriados, preservar a natureza também são deveres de todos nós: é a consciência universal sobre a importância do cuidado com as pessoas e com o meio ambiente.

Nunca se proclamaram tão altos esses cuidados e ao mesmo tempo nunca foram tão sistematicamente violados como nos nossos tempos. A luta para conservá-los firmemente na consciência dos indivíduos e dos povos passa obrigatoriamente pelo processo educativo.

A confessionalidade Metodista destaca o processo educativo que desperta nas pessoas a inconformidade com as situações degenerativas da vida, seja por meio da destruição do meio ambiente, da miséria, da exploração do trabalhador, da desintegração de valores como a solidariedade e a justiça e de tantas outras situações aviltantes à vida.

A responsabilidade pelas outras pessoas, pela sociedade, pela natureza, implica na organização de um mundo com vida saudável. Não haverá sobrevivência da sociedade humana sem uma ética, sem uma experiência de coletividade, voltada para o bem-estar de todas as pessoas e do planeta.

Leonardo Boff, ao discursar na cerimônia da Conferência Nacional do Meio Ambiente, em junho de 2003, no Dia Mundial do Meio Ambiente, afirmou: “o Brasil é uma das províncias mais bem-aventuradas do Planeta vivo, a Terra. Como mãe generosa, ela nos legou uma riqueza ecológica que representa para todos nós grave responsabilidade. Queremos estar à altura dela. Dispomo-nos a preservar essa riqueza pelo valor que possui em si mesma, pela alegria que sua beleza nos propicia e, sobretudo, orque ela garante a sustentabilidade de nosso povo e de nosso desenvolvimento.”

Temos que ter um cuidado todo especial com nosso planeta, pois nós somente o temos para viver e morar. Cada ser humano precisa descobrir-se como parte do ecossistema e desenvolver uma consciência coletiva que pense sobre o nosso belo planeta.

gaara disse...

Efeitos do plástico e a grande porção de lixo do Pacífico

albatroz e lixo
Image courtesy
Algalita Marine Research Foundation
A população de albatroz foi
devastada pelo plástico
O plástico afetou severamente os albatrozes, que percorrem um grande caminho do norte do Oceano Pacífico. Eles geralmente apanham o alimento onde quer que esteja, o que faz muitos pássaros ingerirem plástico e outros lixos, levando-os a morte. Na Ilha Midway, que fica em contato com partes da Porção de Lixo Oriental, os albatrozes dão à luz a 500.000 filhotes anualmente. Duzentos mil deles morrem, muitos pelo consumo de plástico que seus pais lhes dão, confundindo-o com comida [fonte: LA Times]. No total, mais de um milhão de pássaros e animais marinhos morrem por ano, seja porque ingeriram plástico e outros lixos ou porque ficaram presos neles.

Além de acabar com os animais selvagens, o plásticos e outros detritos danificam barcos e equipamentos submarinos, espalham-se pelas praias, impedem as pessoas de nadarem e prejudicam as indústrias de pesca local e comercial. O problema do plástico e outros lixos acumulados afeta praias e oceanos do mundo inteiro, incluindo os dois pólos. As massas de terra que acabam no caminho dos redemoinhos giratórios recebem grande quantidade de lixo. As 19 ilhas do arquipélago havaiano, incluindo a Midway, recebem quantidades maciças de lixo lançadas dos redemoinhos. Boa parte do lixo é antiga. Algumas praias ficam cobertas de 1,5m a 3m de lixo, enquanto outras ficam cheias de "areia plástica", milhões de pedacinhos, como se fossem grãos, de plástico que são praticamente impossíveis de limpar.

A maior parte desse lixo não vem dos navios - 80% do lixo do oceano origina-se da terra [fonte: LA Times]. O resto vem de navios comerciais e particulares, de equipamentos de pesca, de plataformas petrolíferas (em inglês) e da queda de contêiners no mar (seus conteúdos freqüentemente são levados pelas águas e chegam às costas distantes anos depois).

Alguns esforços podem ajudar a lutar contra a maré do lixo. Os tratados internacionais que proíbem o despejo de lixo no mar devem ser reforçados. A água de esgoto não tratada não deveria desaguar no oceano. Muitas comunidades e alguns países que se encontram em pequenas ilhas acabaram com o uso de sacolas plásticas. Essas sacolas geralmente são recicláveis, mas bilhões delas são jogadas fora todo ano. Nas Ilhas Havaianas, programas de limpeza levam voluntários às praias para recolherem o lixo, mas algumas delas, mesmo as que passam por limpezas regulares, ainda estão repletas de camadas grossas de lixo.

Os cientistas que estudaram o problema afirmam que recolher todo o lixo do oceano é simplesmente impossível, além de prejudicar o plâncton e outras vidas marinhas. Em algumas áreas, podem ser coletados grandes fragmentos, mas não é possível, por exemplo, limpar completamente uma parte do oceano que amplia a área de um continente e estende-se mais de 30m abaixo da superfície [fonte: UN Environment Program].

Praticamente todos os especialistas que falam do assunto levantam o mesmo ponto: depende do controle do lixo na terra, de onde vem a maior parte dele. Eles recomendam convencer as empresas a encontrarem alternativas para o plástico, especialmente seguras, em relação ao ambiente, e com embalagem reutilizável. Programas de reciclagem deveriam ser ampliados para acomodar mais tipos de plástico, e a população deveria ser educada sobre seu valor.

Em outubro de 2006, o governo dos Estados Unidos estabeleceu o Monumento Marinho das Ilhas Havaianas do Noroeste. Essa longa faixa de ilhas, localizadas a noroeste do Havaí, freqüentemente, entram em contato com a Porção de Lixo Oriental. Após a criação do monumento, o congresso aprovou a legislação para aumentar os fundos para os esforços de limpeza e obrigou que várias agências governamentais expandissem seu trabalho de limpeza. Pode ser um passo importante, especialmente se levar a uma maior atenção do governo para um problema que, embora terrível, apenas recebeu atenção científica séria no início da década de 90.

gaara disse...

*
* governo
* iniciativas
* meio ambiente
* no mundo
* redes
* referências

* Amanda Gambale
* Charlesnisz
* Dalton Martins
* Dani Matielo
* Drica Guzzi
* Felipe Andueza
* Felipefonseca
* Hernani Dimantas
* Kobashi

+ blogs

* MetaReciclagem
* Waste.nl
* efeefe
* Comunix
* Os próximos passos
* a vida em redes
* Ecologia Digital
* Digital K


Quem está online
No momento há 1 usuário e 28 visitantes online.
Usuários online

* Felipe Andueza

Início » Blogs » Blog de felipefonseca
O ciclo do Lixo Eletrônico - 1. Produção e consumo
tags:

* brasil
* ciclo
* consumo
* produção
* referências

imagem de kla4067 encontrada no flickr -http://flickr.com/photos/84263554@N00/327787020/A produção e o consumo de eletrônicos são elementos totalmente interdependentes. A indústria, com forte apoio da mídia (não só a imprensa especializada em 'informática', mas também a imprensa de variedades e em grande medida o entretenimento), se esforça constantemente em criar uma ilusão de obsolescência, lançando periodicamente novos equipamentos com inovação incremental - aquelas poucas novidades que vêm devagar, um pouquinho em cada nova versão. Já fazem alguns anos que os computadores novos não trazem mais do que versões um pouco mais rápidas de suas versões anteriores. Por outro lado, a indústria trabalha também com o estímulo a comportamentos condicionados e objetos de desejo que, na visão distorcida e irresponsável do grande marketing, aquecem a economia ao incentivar o consumo (e, adiciono eu, o consumismo). Assim, conseguem cobrir toda a gama de adoção de equipamentos.

gaara disse...

CULTURA : MEMÓRIA E PATRIMÔNIO CULTURAL VÃO SER DISCUTIDOS NO FESTIVAL -01/05/09

Com o tema “Patrimônio Cultural: Ponte entre Realidades e Culturas”, a segunda edição do Encontro de Preservação, Memória e Patrimônio Cultural tem espaço garantido na programação do VI Festival América do Sul, que acontece entre em Corumbá. No evento, programado para hoje, dia 1°, e amanhã, 2 de maio, serão discutidos os procedimentos para a salvaguarda e manutenção de acervos culturais no âmbito sul-americano. O encontro, que é coordenado pelo diretor do Museu da Imagem e do Som de Mato Grosso do Sul (MIS-MS), Rafael Maldonado, acontecerá no auditório do Hotel Nacional.


Com mesas que contemplam participantes do Brasil, Uruguai e Paraguai, o encontro deve fomentar o intercâmbio de experiências, tendo em vista a relevância, conforme os organizadores, de se pensar ações de integração cultural.

Os objetivos do evento são norteados pela Declaração da Cidade de Salvador, elaborada pelos participantes do I Encontro Ibero-Americano de Museus, em 2007. Consta como uma das diretrizes pontuadas nesse documento a necessidade de “fomentar a proteção e a divulgação do patrimônio cultural ibero-americano, por meio da cooperação entre os países, assim como promover o diálogo intercultural entre os povos”.

Embora as diretrizes do encontro de Salvador tenham sido pensadas no âmbito ibero-americano, para a América do Sul a diretriz não é menos premente. Afora o fato de as heranças culturais dos países latino-americanos serem comuns – são países com colonização portuguesa ou espanhola.

Segundo Maldonado, a iniciativa também dá continuidade às atividades de formação e capacitação na área museológica em Mato Grosso do Sul, promovendo uma articulação entre os profissionais brasileiros e estrangeiros do setor na discussão sobre a proteção e gestão patrimonial.

São parceiros na realização do evento a Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS), o Departamento de Museus e Centros Culturais do IPHAN, o Instituto Luís de Albuquerque, o Fórum de Museus de Mato Grosso do Sul e o MIS-MS.

O II Encontro acontece em dois momentos. Hoje o tema é “Diversidade Histórica e Patrimônio Cultural na América do Sul”, com participação de Clarisse Isfrán Echauri, directora de Catalogación del Patrimonio Cultural (Paraguai); Rose Miranda, do Departamento de Museus e Centros Culturais do IPHAN (RJ), e Magaly Cabral, diretora do Museu da República (RJ). O professor de graduação em Arquitetura da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Ângelo Arruda, será o mediador.

Rafael Maldonado é o mediador do segundo dia de discussão, cujo tema é “Instrumentos Institucionais de Preservação”. Participam Sandra Baruki, diretora do Centro de Conservação e Preservação Fotográfica da Funarte (RJ); Fernanda Coelho, especialista em Preservação da Cinemateca Brasileira (SP), e Elbio Ferrario, diretor do Museu da Memória de Montevidéu (Uruguai).

A participação é gratuita e o evento destina-se profissionais da área de patrimônio e museologia, pesquisadores, professores, estudantes e demais interessados. (Assessoria FAS)

gaara disse...

O QUE FAZ DO HOMEM UM SER CULTURAL

O Homem é um ser eminentemente
socio-cultural, pois está inserido numa determinada comunidade e cultura, sendo capaz de influenciar e transformar o mundo à sua volta, de modo a satisfazer as suas necessidades e realizar-se enquanto indivíduo. Assim sendo, para além de uma base biológica, o indivíduo detém uma componente social, da qual resulta o seu comportamento. O indivíduo só poderá ser compreendido aquando de uma interacção com os grupos a que pertence, que o orientam e limitam simultaneamente. O Homem é, efectivamente, um “animal social”.

nayanny disse...

Criação de vale-cultura pode ser auxílio na gestão cultural dos municípios.

Os municípios brasileiros poderão ganhar mais um aliado de geração de emprego e renda no setor cultural, além da valorização das diversas manifestações de cultura local. Isso porque tramita no Congresso Nacional, em caráter de urgência, a criação do vale-cultura. Um benefício destinado a trabalhadores para a aquisição de bens e serviços ligados à promoção cultural, com a compra de Cds, livros ou a assistir peças teatrais e ingressos de cinema. O benefício será de R$ 50 por mês.

Inicialmente, terão prioridade ao vale-cultura empregados com renda de até cinco salários mínimos. Acima disto, as empresas só poderão oferecer o benefício caso todos os trabalhadores com salários menores tenham sido atendidos com o vale. Em compensação, os empregados terão de arcar com 10% do valor oferecido – equivalente a R$ 5 -, e para renda superior a cinco mínimos, o desconto deve variar entre 20% e 90%.

O programa, semelhante ao sistema de vale-refeição, vai depender da adesão das empresas privadas. Para elas, como contrapartida, haverá desconto de até 1% em impostos. O Ministério da Cultura (Minc) espera a inclusão de 14 milhões de consumidores do mercado cultural.

Além do apoio de empresários, o vale-cultura necessita da aprovação de proprietários de casas de espetáculos, cinemas e lojas culturais. Estes estabelecimentos podem ou não optar em receber o vale no pagamento de mercadorias ou serviços.

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) recomenda os gestores a buscarem parcerias com grupos de artistas, pintores, artesãos e outros profissionais do ramo. O objetivo é estimular a população a aplicar os recursos do vale dentro do próprio município. De acordo com a entidade, os resultados devem ser o reconhecimento dos produtos culturais locais e arrecadação para o setor.

NAYANNYY.

Liliane disse...

Por isso, a primeira ação da recém-criada Secretaria Municipal de Turismo será promover um concurso entre universitários e o trade turístico para a elaboração de uma marca que "venda" Curitiba como uma opção para lazer e entretenimento. "Curitiba tem tantas marcas, mas não tem nenhuma que realmente identifique a cidade para os turistas", diz o secretário Luiz de Carvalho.

Um marketing bem feito baseado em uma marca forte seria o primeiro passo para equilibrar os números entre turistas de negócios e turistas de lazer. Dos 1,5 milhão de visitantes que a cidade recebe anualmente, cerca de 70% vêm à cidade a trabalho. "Queremos oferecer opções até para esse turista de negócios ter o que fazer na cidade nos horários de folga", diz o secretário. "Acreditamos que podemos aumentar de 50% a 60% o número de turistas nos próximos quatro anos", prevê.

Além disso, Luiz de Carvalho pretende criar facilidades para que os próprios curitibanos façam "turismo" por outros bairros, conhecendo melhor a cidade onde moram. "Curitiba tem 1,8 milhão de habitantes e muitos deles não conhecem os pontos turísticos, por isso, queremos facilitar o trânsito da população para que ela possa passear mais nos fins de semana"

leislyedia disse...

Curitiba quer ser destino turístico-cultural
03/02/2005, 02:00

Consolidada como importante destino para o turismo de negócios no Brasil, Curitiba-PR pretende incrementar agora o número de visitantes que vêm a capital simplesmente para passear e conhecer seus atrativos. Por isso, a primeira ação da recém-criada Secretaria Municipal de Turismo será promover um concurso entre universitários e o trade turístico para a elaboração de uma marca que "venda" Curitiba como uma opção para lazer e entretenimento. "Curitiba tem tantas marcas, mas não tem nenhuma que realmente identifique a cidade para os turistas", diz o secretário Luiz de Carvalho.

Um marketing bem feito baseado em uma marca forte seria o primeiro passo para equilibrar os números entre turistas de negócios e turistas de lazer. Dos 1,5 milhão de visitantes que a cidade recebe anualmente, cerca de 70% vêm à cidade a trabalho. "Queremos oferecer opções até para esse turista de negócios ter o que fazer na cidade nos horários de folga", diz o secretário. "Acreditamos que podemos aumentar de 50% a 60% o número de turistas nos próximos quatro anos", prevê.

Além disso, Luiz de Carvalho pretende criar facilidades para que os próprios curitibanos façam "turismo" por outros bairros, conhecendo melhor a cidade onde moram. "Curitiba tem 1,8 milhão de habitantes e muitos deles não conhecem os pontos turísticos, por isso, queremos facilitar o trânsito da população para que ela possa passear mais nos fins de semana", diz.

Parceria

Uma idéia para rechear o calendário turístico-cultural seria firmar uma parceria com a Secretaria Municipal de Cultura com o objetivo de formatar novos eventos, a exemplo dos já bem-sucedidos Festival de Teatro e Oficina de Música. Além de impulsionar o número de turistas, amenizaria a sazonalidade.

Segundo Luiz de Carvalho, um dos eventos a serem criados é uma espécie de Festa das Nações, aproveitando a mistura de etnias presentes em Curitiba. Seria apresentada aos turistas e curitibanos a cultura dos vários povos que formam a população local, por meio de manifestações diversas, como música, dança, culinária e artesanato.

Além disso, Luiz de Carvalho informa que a Secretaria de Turismo e a Vigilância Sanitária estão estudando a criação de um selo de certificação de qualidade para restaurantes, bares e similares de Curitiba.

Para o secretário, Curitiba cresceu muito e está preparada para promover e receber eventos de grande porte. A capital e sua Região Metropolitana dispõem de 150 hotéis, muitos de bandeiras e padrão internacionais, que somam aproximadamente dezoito mil leitos. Por isso, a cidade se colocou frente a frente com Florianópolis (SC) e Salvador (BA) para disputar a sede do COP8MOP3, um grande evento de meio ambiente com representantes de 196 países e que, em maio, será realizado pela primeira vez no Brasil. "Curitiba tem todas as condições para sediar bem esse evento, tem estrutura, logística, um fluxo satisfatório de vôos", cita Luiz. "Em breve teremos um encontro com a coordenação em Brasília, acredito que há muitas chances de atrair esse evento", considera.

Se a capital paranaense tem boa oferta hoteleira, gastronômica e de lazer, tropeça quando o assunto é prestação de informações ao turista. Por isso, a Secretaria pretende implantar uma nova sinalização turística, que siga os padrões internacionais, e construir mais postos de informações. Hoje a cidade conta com oito desses equipament

gaara disse...

o que é um ser cultural


homem é um ser cultural, mas a cultura não é tudo no ser humano. A cultura, éessa capacidade re-criadora, permite ao Homem re-produzir o mundo dinamizando a existência dos existentes. O fato de estar sempre criando ou re-criando sua obra ou suas manifestações faz da cultura uma das marcas mais tipicamente humanas, pois é principalmente pela sua capacidade de recriar o mundo e as manifestações culturais que o homem se diferencia dos demais existentes: por ser cultural deixa de ser apenas homo para ser sapiens. Assim o "homo sapiens" se manifesta com outras habilidades e passa a ser "homo culturalis". E a capacidade de criar e recriar, fazer e refazer lhe permite ser chamado de "homo faber" (MONDIN, 1982), pois entre outras a capacidade de produzir cultura possibilita a recriação. O Homem que se entende como sabedor de si ou consciente (por isso sapiens), produz o mundo (por isso é faber) circundante e aquilo de que tem necessidade para melhor se situar nesse mundo. A consciência de sua capacidade produtiva e criadora, juntamente com sua criação é o que determina sua dimensão cultural .MARCOS

Annelize disse...

“O conceito cultural tem de ser clarificado"
Em entrevista ao Açoriano Oriental, a directora regional da Cultura, Gabriela Canavilhas, revela que está a ser preparado um novo Decreto Legislativo para os apoios à cultura, com o objectivo de "clarificar" e tornar mais fácil o processo. Governo vai também lançar bolsas para criação artística.É directora regional da Cultura há cerca de um ano. Quais são até agora as suas grandes apostas em termos de política cultural?

São as apostas que já estavam explícitas no Programa do Governo, que tem para a área cultural objectivos muito bem delineados e que são, do meu ponto de vista, até um exemplo em termos nacionais. Compete-me dar seguimento a essas estratégias, imprimindo as ‘nuances’ inerentes, quer à minha área de especialização, quer à minha personalidade. A área de intervenção da Direcção Regional da Cultura é vastíssima, o que torna a sua acção interessante, por um lado, mas também dificultada, por outro. As grandes linhas de actuação passam pelo desenvolvimento de uma cultura regional que valorize o cidadão.

ANNELIZE SILVA

lucivania disse...

O funk nacional é igualzinho ao que eu vejo no TVZ...

O carinha fala que faz e acontece.
O carinha come todas só em olhar pras vagaranhas...

A mulher se faz de gostosa.
A mulher diz que se aproveita dos carinhas...

E nos dois todas dançam como estivessem trepando com um cacete imaginário...

A diferença é que aqui no Brasil é considerado ruim, porque ninguém "intendi ingrês"!

É um movimento cultural marginal. Eu não gosto, mas aceito que exista e nem reclamo. Idem ao sertanejo, pagode paulista, e coisas similares que na minha casa não entra.

Agora comparar com Cartola é dose....

Lucivânia

ANA JESSICA disse...

Por isso, a primeira ação da recém-criada Secretaria Municipal de Turismo será promover um concurso entre universitários e o trade turístico para a elaboração de uma marca que "venda" Curitiba como uma opção para lazer e entretenimento. "Curitiba tem tantas marcas, mas não tem nenhuma que realmente identifique a cidade para os turistas", diz o secretário Luiz de Carvalho.

Um marketing bem feito baseado em uma marca forte seria o primeiro passo para equilibrar os números entre turistas de negócios e turistas de lazer. Dos 1,5 milhão de visitantes que a cidade recebe anualmente, cerca de 70% vêm à cidade a trabalho. "Queremos oferecer opções até para esse turista de negócios ter o que fazer na cidade nos horários de folga", diz o secretário. "Acreditamos que podemos aumentar de 50% a 60% o número de turistas nos próximos quatro anos", prevê.

Além disso, Luiz de Carvalho pretende criar facilidades para que os próprios curitibanos façam "turismo" por outros bairros, conhecendo melhor a cidade onde moram. "Curitiba tem 1,8 milhão de habitantes e muitos deles não conhecem os pontos turísticos, por isso, queremos facilitar o trânsito da população para que ela possa passear mais nos fins de semana"

mikae disse...

Como disse, não existe mais autenticidade em nada mais no mundo. A criação desta colcha de retalhos é autenticidade do funk. Muitos movimentos surgem de uma mistura bizarra de várias variantes. O funk tem várias, desde o miami bass que vcs já falaram em termo de ritmo, até a cultura marginal (não só do morro) e os valores estranhos do hip hop.

Veja a vestiumenta do funk. é parecida com a do hip hop, porém não igual. Esta j´[a é uma diferenciação.

O ritmo por si é outra do miami bass. Os valores que as músicas se referem é uma modificação do hip hop, da sexualização extrema da mulher, da cafajestagem completa do homem, do sentido de realização em controle e humilhação feminina. Estes são alguns dos valores do funk. Parecidos com o hip hop, porém elevados em 1 ou 2 vezes. Taí outra diferenciação.
Mikaelly

Liliane disse...

Empregar-se e materse-se empregado

conseguir um emprego naoé terefa hoje em dia. As exigencias de mercado de trabalho
estão cada vez maiores; as ofertas diminuem e a competitividade aumenta. umbom currículo e uma entrevista bem sucedida são elementos importantes para aconquista de uma vaga. M as estar empregado não é o bastante para acabar com as aflçôes que esse mercado competitivo inmpôem ao trabalhador.

gaara disse...

EMPREGAR-SE E MANTER-SE EMPREGADO

1.Identificação

A primeira informação do cúrriculo deve ser composta pelo nome completo,nacionalidade,estado civil,idade ou data de nascimento, emdereço,telefone,celular e e-mail do candidato.

2.Função pretendida

Deve ficar bem evidente a função ou funções que o candidato está apto a exercer.Ocúrriculo deve comunicar claramente e especificamente seus objetivos.

3.Escolaridade,cursos e diomas

Apenas última formação acadêmica deve construtar no item escolaridade.
Os cursos mencionados também devem ser os mais relevantes para a área pretendida.
Os idiomas conhecodos devem ser mencionados acompanhados de seu nível de conhecimento(Básico,Intermédiário,Avançado ou Fluente).

gaara disse...

emprego também deve ser mencionado.

5.Experiência Profissional

Aexperiência profissional deve ser escrita em tópicos de forma objetivas,sem redundâncias.

6.Máximo de duas folhas

Cúrriculos devem ter,no máximo,duas folhas.Se apenas uma suficiente,melhor ainda.Geralmente o empregado tem de ler dezenas de cúrriculos;um cúrriculo muito extenso certamente será avaliado superficialmente,se for avaliado.

7.Apenas informações veridicas devem estar presentes em um cúrriculo,pois as mentirosas serão facilmente descobertas na entrevistas.

8.Economia

Folhas de rosto,carta de apresentação ou pastas especiais não devem ser usadas em um cúrriculo,pois dificultam.

9.Sem documentações e referençias
pessoais.

Adocumentação só será necessária quando o candidato for aprovado.As referncias deverão ser ultilizadas somente se solicitadas
e quando solicitadas.

10.Português correto

Erros ortográficos podem ser fatais.

11.Data e assinatura

Ser for solicitada,é essencial e deve ser muito bem escolhida...

Anônimo disse...

Reduza, Reutilize e Recicle: assuma os 3Rs da responsabilidade individual com o planeta!

As mudanças climáticas e os resíduos sólidos estão entre as causas que ameaçam a sobrevivência humana na Terra. Entre as medidas a serem tomadas, algumas são da esfera privada e podem ser resumidas como os 3Rs: Reduzir, Reutilizar e Reciclar. Para saber mais leia o artigo completo AQUI.


2- Campanha pela lei da sacola paga!

Desde que foram introduzidas no cotidiano da vida moderna, as sacolas descartáveis são fornecidas como uma espécie de brinde, o que fez com que a população perdesse o antigo hábito de levar suas próprias sacolas ao fazer compras. Os efeitos devastadores das sacolas são bastante conhecidos:

NAYANNY.

Anônimo disse...

ações insignificantes que podem salvar o planeta.

Nas questões amplas das mudanças climáticas ao nível global, degradação dos ecossistemas em escala planetária e poluição, as pessoas tendem a permanecer em atitude passiva julgando que primeiro os grandes devam dar os primeiros passos. Enquanto todos permanecem neste imobilismo contemplativo bovino, o aquecimento global se apresenta como uma realidade catastrófica demais para ser ignorada.

Contudo, há muita coisa a ser feita por nós, as pessoas comuns, mais precisamente pequenas ações que sozinhas parecem representar uma gota no oceano. Assim, mesmo que as ínfimas ações aqui listadas produzam pouco estardalhaço, elas representam uma mudança de atitude com o planeta e isto é o que faz a diferença. Para saber mais leia o artigo completo

NAYANNY.

Anônimo disse...

A participação política ganhou relevância no passado imediato, em 1984, com a campanha das Diretas Já e com as eleições estaduais de 1986, nas quais o PMDB foi vitorioso em todos os estados, exceto Sergipe. Assim, naquele momento, o partido político que assumiu, em meados da década de 1970, o papel de resistência ao regime militar, configurou-se, na década seguinte, como o instrumento das mudanças sociais reclamadas em múltiplas ocasiões pretéritas, o que estimulou novas mobilizações populares. Não se quer com isso afirmar que esse papel tenha sido efetivamente exercido. Como é do conhecimento público, ocorreu justamente o contrário, o papel renovador do PMDB esgotou-se sem que as mudanças tenham-se efetivado.

Para os setores sociais subalternos, a questão da participação revestiu-se de importância ímpar, vistas as esperanças que as eleições (indiretas) de 1985, para a Presidência, e as já citadas de 1986, representaram. Com essas eleições, inaugurava-se uma segunda fase da transição política, o período de democratização do país, entendido como a fase de definição das bases do novo regime democrático.

A expectativa de grande parte de analistas e intelectuais políticos também se centrou no processo participativo. Particularmente porque a democracia passou, pouco a pouco, a ser entendida não mais como um simples conjunto de regras de participação formal na vida pública, mas antes como um jogo de construção de direitos. Ora, se a garantia dos direitos exige quase que, exclusivamente, instituições estabelecidas e reconhecidas em suas funções de observância da lei, a criação de direitos exige um ethos participativo, além de mecanismos eficientes de mudança. É indispensável, nessas ocasiões, que os diversos grupos sociais, que compõem uma determinada sociedade, possam exprimir seus interesses e reconhecê-los nas decisões governamentais e nos arranjos institucionais.


NAYANNY.

gaara disse...

O MOMENTO ora vivido pela humanidade, geometrizado pelos números cheios, 2000; 500; cada um sugerindo um pacote de séculos, tende a direcionar as reflexões dos seres humanos para os fantásticos conteúdos históricos desses pacotes. A mídia é o principal agente potencializador dessas reflexões, na medida em que pauta a história do Brasil de 500 anos sob os mais variados ângulos, assim como a história no período do cristianismo, outro tema fascinante, no qual cabe desde parte do Império Romano, toda a Idade Média, o Renascimento, a Revolução Industrial, tudo culminando com os incríveis inventos do século XX. É oportuno que se contem essas e outras histórias, mas é igualmente importante que se aproveitem os ângulos retos da geometria da história para olhar para a frente e para forçar reflexões sobre o futuro, abordando outros ângulos do épico Assim caminha a humanidade, mais pelo título do que pelo seu conteúdo propriamente dito.

A Agenda 21, uma das poucas pautas do futuro, é ousada pela abrangência e pelo horizonte de um século. Nunca se planejou para um período tão longo. O grande prazo requer adaptações metodológicas, nas quais, aos planos convencionais de uma a duas décadas, acoplam-se prognósticos e reflexões sobre os grandes temas e suas interfaces setoriais.

Ainda recentemente, diletantes, fazíamos cálculos a partir da população mundial de cinco e meio bilhões de habitantes. Hoje já teríamos ultrapassado os seis bilhões. Quando saberemos o número da assíntota da estabilização? Como será a componente social das políticas públicas daqui a três décadas? É lícito especular e concluir que a degradação ambiental só não é maior porque mais da metade da população do mundo vive à margem da sociedade de consumo? Haverá determinação de, mesmo sob a justificativa da necessidade de ampliar o número de consumidores, promover-se fortemente a ampliação da população com acesso a bens de consumo? Isto será elevar a qualidade de vida? Qual o tamanho do impacto ambiental decorrente da ampliação de cada fração de 10% de novos consumidores em nível mundial? Os recursos naturais são ou não inesgotáveis? Até a metade do século XXI os oceanos terão subido um metro, inundando milhares de cidades portuárias e turísticas, além de férteis deltas de rios em todo o mundo, por causa do "efeito estufa"? Em que medida a reciclagem economizará recursos naturais não renováveis para as gerações futuras? O automóvel manterá seu fascínio e sua hegemonia como meio de transporte e símbolo de status ? Continuará impondo investimentos maciços em vias de transporte em detrimento de outras demandas da sociedade?

Francisco Marcos Masseno Bezerra

gaara disse...

Inicialmente sem maiores fundamentos científicos, protestava-se contra atitudes obviamente predadoras do meio ambiente, usando-se os mais exóticos recursos para chamar a atenção como subir em árvore para evitar a sua derrubada, protestar contra os incômodos pontuais da poluição atmosférica ou direcionar a atenção para as causas de mortandade de peixes etc.

As elites tratavam de desqualificar tais atitudes, rotulando os ativistas ecológicos com os mais variados e pejorativos adjetivos, na medida em que elas pressentiam que a defesa do meio ambiente fatalmente acabaria com alguns de seus privilégios e, no mínimo, implicaria em investimentos para controlar os efeitos da poluição, por exemplo.

O protesto contundente e nada ortodoxo, entretanto, foi registrado pelos meios de comunicação, que viam, naquelas atitudes estranhas, no mínimo, matéria de interesse jornalístico. Daí para a assimilação pela sociedade foi um passo natural. Um misto de curiosidade e de concordância com as teses dos ecologistas fez crescer a vontade social de mudar comportamentos predadores por outros com respeito pela natureza, mesmo que, individualmente, essa mesma sociedade ainda não estivesse preparada para efetivamente fazer a sua parte. Muitos achavam que, se os outros melhorassem o meio ambiente, eles, pessoalmente, poderiam continuar a cometer seus pecadilhos ambientais sem dar na vista.

Fase política e do "enforcement"

Como vontade social é precursora da vontade política, a questão ambiental evoluiu para um movimento mundial de criação de temáticos Partidos Verde com destaque para o Die Grünnen, na Alemanha. O caso alemão é emblemático, onde a perspectiva de tornar-se parceiro da coalisão de governo seria concreta com a obtenção de apenas 8 a 10% dos votos, substituindo o Partido Liberal (FDP) como fiel da balança entre os dois grandes partidos (CDU e SPD). Acabou ocorrendo. Hoje o governo alemão é dirigido pela coalisão SPD/Die Grünnen.

No Brasil o Partido Verde (PV) emerge a cada eleição com mais candidatos eleitos, ocupando espaços progressivamente. Os partidos ideológicos de esquerda perderam o discurso diante do inexorável avanço do capitalismo e da globalização, abrindo espaço para um partido temático com discurso claro, objetivo, oportuno e carismático, particularmente entre os jovens.

A pressão dos movimentos ecologistas, amplificada pela mídia, e a inserção do tema no discurso político, a par do desenvolvimento técnico nos institutos oficiais de defesa do meio ambiente e científico nas universidades, levou as autoridades governamentais, em todos os níveis, a editarem leis, decretos, normas técnicas e demais instrumentos de enforcement, isto é, de controle ambiental. No Brasil, aproveitou-se a própria Assembléia Nacional Constituinte de 1988 para inserir um moderno e abrangente capítulo sobre meio ambiente na Constituição Federal.

Francisco Marcos Masseno Bezerra

gaara disse...

Mesmo o ousado horizonte de um século da Agenda 21 é irrelevante diante da responsabilidade desta geração, transitória para o terceiro milênio, que assiste a uma extraordinária explosão científica e tecnológica e a um aquecimento econômico sem precedentes, infelizmente sem contrapartidas de modelos sócio-econômico e ambiental adequados.

O século XXI vai passar como uma fração de segundo no tempo da existência da humanidade sobre a terra. O que é preocupante é todos desejarem que essa existência tenha a duração não de segundos nessa escala, mas de dias, semanas, anos… Mas como conciliar o enorme potencial de desenvolvimento em escala logarítmica que a base do conhecimento alicerça, com as limitações físicas da superfície do planeta, onde ainda por cima se pretende manter espaços preservados da ocupação antrópica como almoxarifado genético da biodiversidade e reservas de paisagens naturais?

Entre outras respostas, há que se acreditar na capacidade de direcionamento do conhecimento acumulado para soluções nos campos das ciências exatas e biológicas. Nos campos cultural, político e das demais ciências humanas, infelizmente a história mostra os estreitos limites da diplomacia, freqüentemente esgarçados pelas guerras, quando ocorriam incompatibilidades muito menores do que as que o futuro nos reserva. Felizmente os últimos anos criaram um novo ingrediente atenuador de conflitos e que tem alargado o campo de atuação da diplomacia: a globalização da economia. Mas é cedo para afirmar que a paz está selada só porque o comércio criou uma rede de interesses protetora. O trapezista pode cair fora da rede.

População e desenvolvimento nos campos social e econômico

A agricultura tem sido competente para frustrar, com a ampliação da produtividade, antigos prognósticos de fome por falta de alimentos. Mas cabe a pergunta: até quando? E quando toda a população do mundo estiver se alimentando corretamente, o que ninguém ousa não desejar, qual a força político-administrativa capaz de evitar que o pantanal seja dragado e que a floresta amazônica seja totalmente derrubada para a sua transformação em pastagens e campos de soja, como é o sonho de parte da elite da região Norte do país?

O desenvolvimento, por todos desejado, é também a única forma pacífica atualmente conhecida de se controlar a natalidade e estagnar o crescimento demográfico. Na Ásia e na África há outros componentes como intransigências de natureza religiosa e cultural, com os quais há que se conviver com paciência e competência para atingir finalmente o nível econômico capaz de sustar, por mecanismos auto reguladores intrínsecos, o crescimento populacional

Francisco Marcos Masseno Bezerra

israelane disse...

Meio ambiente abiótico
O meio ambiente abiótico inclui factores como solo, água, atmosfera e radiação. É constituído de muitas forças que se influenciam entre si e influenciam a comunidade de seres vivos que os cercam. Por exemplo, a corrente de um rio pode influir na forma das pedras que fazem ao longo do fundo do rio. Mas a temperatura, limpidez da água e sua composição química também podem influenciar toda sorte de plantas e animais e sua maneira de viver. Um importante grupo de factores ambientais abióticos constitui o que se chama de clima.

Meio ambiente biótico
Todo ser vivo se encontra em um meio que lhe condiciona a evolução de acordo com o seu patrimônio genético. A reacção (evolução) leva à individualização dos seres e a sua adaptação ao modo de vida. Quando o meio muda, o organismo reage através de uma nova adaptação (dentro da faixa permitida pelo patrimônio hereditário) que, segundo Lamarck, seria sempre eficaz.

A locomoção, no reino animal, e a dispersão dos diásporos, no reino vegetal, permitem às espécies instalarem-se em novos ambientes, mais favoráveis. É o aspecto principal da migração. O organismo pode, também, diminuir as trocas ou contactos com um meio hostil através da reclusão (construção de um abrigo, enquistamentos, anidrobiose e outros)

Ambientes naturais
Ambientes naturais são aqueles que se formaram sem intervenção humana, como os lagos, pântanos, oceanos. Entretanto, esses ambientes não são estáticos, têm sua dinâmica e, em muitos casos, são influenciados pela ação humana.

Meio-ambiente artificial
Ambientes artificiais são aqueles que se formaram com a intervenção do Homem, como jardins, salinas, campos cultivados e o próprio ambiente urbano.

Ver também
Biodiversidade no Brasil
Ambientalismo
Ecologismo
Augusto Ruschi

Anônimo disse...

Controle dos desmatamentos

A manutenção de coberturas florestais - mesmo que de matas homogêneas plantadas para fins de manejo econômico - nas encostas de relevo acentuado é a forma mais adequada de reservar-se água no subsolo, regularizando a vazão dos rios.

As florestas nativas são mais adequadas por preservarem outros recursos naturais, particularmente a biodiversidade. Esta, em relação às espécies animais de maior porte, exigem espaços maiores e interligados por corredores florestais. Bosques isolados pouco significam para espécies do topo da cadeia alimentar.



Rafaela ferreira da silva

Anônimo disse...

CUIDADO: RESPIRAR NAS CIDADES PODE MATAR

Já pensou em morar no campo? Se não, é bom reconsiderar. foto: M Moscatelli

A poluição do ar resulta da emissão de gases poluentes ou de partículas sólidas na atmosfera. Neste cenário, os automóveis poluem mais do que as indústrias.

Os números de mortos em decorrência de doenças respiratórias causadas pela poluição do ar impressionam. São milhares de mortos anualmente devido a doenças como asma, rinite alérgica, bronquite crônica, infecções nos pulmões, enfisema pulmonar, doenças do coração e até câncer do pulmão, entre outros males. Pobres, crianças e idosos são as maiores vítimas.

A poluição gerada nas cidades de hoje é resultado, principalmente, da queima de combustíveis fósseis. Por isso, é muito importante que você pense em adotar meios de transporte menos poluentes, como a bicicleta ou metrô. O planeta agradece! Sua saúde também.


gracinha de lima

Anônimo disse...

A análise da participação precoce dos jovens no mercado de trabalho revela o nível de desenvolvimento de um País. Nas economias mais desenvolvidas o número de crianças e adolescentes no mercado de trabalho é mínima. No Brasil, no entanto, o trabalho de jovens de menos idade é uma prática comum. Para o grupo de 15 a 17 anos, a taxa de atividade para os que vivem em famílias cuja renda mensal per capita situa-se em até 1/4 do salário mínimo está em torno de 53,7%..

RAFAELA FEIRRA DA SILVA

Anônimo disse...

SEJA UM AGENTE AMBIENTAL VOLUNTÁRIO

Quer atuar na fiscalização de unidades de conservação e áreas protegidas?. foto: M. Pozzana

Existem muitas pessoas querendo ajudar o meio ambiente e não sabem como ir além da minimilização do próprio impacto ambiental.

Criado pelo Ibama, o programa Agente Ambiental Voluntário tem por finalidade propiciar a toda pessoa física ou jurídica, a participação voluntária em atividades de educação ambiental, conservação, preservação e proteção dos recursos naturais em unidades de conservação e demais áreas protegidas, habitadas por populações indígenas, rurais, quilombolas, extrativistas e de pesca.

A proposta é despertar no voluntário a reflexão crítica dos problemas socioambientais, capaz de orientá-lo a atuar de forma individual e coletiva na busca de alternativas viáveis para a conservação da natureza e uso sustentável dos recursos naturais.


gracinha de lima

Anônimo disse...

Patativa do Assaré
Uma das principais figuras da música nordestina do século XX. Segundo filho de uma família pobre que vivia da agricultura de subsistência, cedo ficou cego de um olho por causa de uma doença. Com a morte de seu pai, quando tinha nove anos de idade, passa a ajudar sua família no cultivo das terras. Aos doze anos, freqüenta a escola local, em que é alfabetizado, por apenas alguns meses. A partir dessa época, começa a fazer repentes e a se apresentar em festas e ocasiões importantes. Por volta dos vinte anos recebe o pseudônimo de Patativa, por ser sua poesia comparável à beleza do canto dessa ave. Sendo muito amigo da familia Diniz